Análise vertical e horizontal: o que são e como fazer?

A análise vertical e horizontal são formas de estudar as operações de um negócio. Saiba o que as duas são e como funcionam. Leia a matéria!

27 de outubro de 2022 - por Sidemar Castro


A análise vertical e horizontal são formas de entender a dinâmica das operações de um negócio.

Explicando de forma resumida, a análise vertical visa descobrir qual o percentual que cada setor da empresa corresponde nos resultados. Por outro lado, a análise horizontal tem como foco a evolução dos resultados da companhia ao longo do tempo.

Dessa maneira, os dois tipos de análises podem ser usados por empresários e investidores para analisar uma empresa. Elas ajudam nas tomadas de decisões, pois possibilitam a compreensão de como está a evolução de um negócio. Portanto, ambas ajudam nas tomadas de decisões e de investimento. É por isso que conhecer e saber fazer os dois tipos de análises é muito importante.

O que é a análise vertical?

A análise vertical é uma técnica de análise financeira que permite avaliar as demonstrações financeiras de empresas, como o Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE), o Demonstrativo do Fluxo de Caixa (DFC) e o Balanço Patrimonial.

Ela consiste em comparar as diferentes contas ou elementos de uma demonstração financeira em relação a uma base comum, geralmente a receita total ou o ativo total.

O objetivo da análise vertical é identificar a porcentagem de participação de indicadores no resultado da empresa. Por exemplo, se você analisa os resultados de determinada companhia e vê que 62% de suas despesas operacionais no período foram referentes a despesas com vendas (publicidade, salário e comissão dos vendedores, etc.), está fazendo uma análise vertical.

Essa técnica é usada na análise fundamentalista de ações, por investidores que querem entender, ao olhar o balanço da companhia, a dimensão de um dado financeiro em relação ao total.

Como é na prática?

O cálculo da análise vertical é bem simples. A sua fórmula é:

AV = ( valor do item / valor da base de cálculo ) x 100

Sendo que os valores são expressos em porcentagem. Para ficar mais fácil entender a fórmula, vamos usar um exemplo.

Suponhamos que uma empresa tem um total de ativos de R$ 1,45 milhões e quer saber qual é a parcela de ativos circulantes dentro desse montante, sendo que eles correspondem a R$ 580 mil.

Desse modo, o cálculo é:

AV = ( 580.000 / 1.450.000 ) x 100 = 40%

Portanto, o ativo circulante corresponde a 40% do total de ativos da empresa. Sendo assim, se a companhia precisar de dinheiro em caixa rapidamente, ela pode contar com uma parcela considerável do total de ativos que tem.

Como funciona a análise horizontal?

A análise horizontal é um método de contabilidade utilizado para avaliar a evolução de alguns indicadores de uma empresa ao longo do tempo. Ela visa analisar, por um determinado período, o resultado da empresa incluindo as demonstrações financeiras, Balanço Patrimonial e Fluxo de Caixa.

A análise horizontal compara o mesmo item do Balanço Patrimonial em períodos distintos, diferente da análise vertical que faz a comparação de diversos itens no mesmo período.

Por exemplo, se você estiver analisando o estoque de uma empresa, a análise horizontal compararia o valor do estoque em diferentes anos para ver como ele mudou ao longo do tempo.

Como é na prática?

O cálculo da análise horizontal é bem simples. A sua fórmula é:

AH = [ ( valor atual / valor base ) – 1 ] x 100

Sendo que os resultados são apresentados em porcentagem.

Um detalhe importante é que o valor atual é representado pelo último resultado da empresa. Já o valor de base é o valor anterior do mesmo parâmetro.

Por exemplo, vamos imaginar que o balanço patrimonial de uma empresa no ano de 2018 foi de R$ 36.519,00 e, em 2019, foi de R$ 32.342,00. Sendo assim, temos:

AH = [ ( 32.342 / 36.519 ) – 1 ] x 100 = – 11,4%

Como no exemplo o resultado foi negativo, podemos dizer que ocorreu uma queda de 11,4% no balanço patrimonial de um ano para o outro.

Por outro lado, quando os valores são positivos, significa que a empresa atingiu um resultado bom, que indica crescimento.

Quais são as diferenças entre as análise vertical e horizontal?

Os dois tipos de análise são usados com o intuito de verificar a dinâmica das operações de uma empresa. Apesar de terem focos diferentes, as duas são complementares e devem ser usadas em conjunto.

Nesse sentido, a análise vertical serve para verificar o percentual de representatividade de cada setor da empresa. Com isso, ela ajuda na análise dos resultados de forma separada e a influência deles no resultado final.

Por outro lado, a análise horizontal serve para constatar a evolução dos resultados da empresa ao longo de um certo período, que pode ser mensal, semestral ou anual de acordo com as necessidades da empresa. Na prática, uma empresa pode usar a análise vertical para estudar o desempenho de suas unidades em diferentes países, por exemplo.

Enquanto isso, a análise horizontal possibilita que cada uma dessas unidades tenha o seu desempenho avaliado ao longo de um ano.

Além disso, essas análises podem ser aplicadas em vários demonstrativos financeiros de uma empresa como, por exemplo, balanço patrimonial, demonstrativo de resultados do exercício e fluxo de caixa.

Com isso, é possível ter uma ideia mais clara do cenário real da empresa e usar isso como base nas decisões de gestão da empresa.

Quais são as outros tipos além da análise vertical e horizontal?

Existem várias formas de analisar a evolução de uma empresa ao longo do tempo. Por exemplo, existem indicadores que levam em conta fatores como liquidez, rentabilidade, lucratividade ou obrigações contábeis.

Independente da forma usada, o importante para o gestor é manter o controle das informações financeiras da empresa. Isso porque elas ajudam no crescimento estruturado e ajudam nas tomadas de decisão. 

Fontes: Suno, Hiper,

10 livros essenciais para entender sobre economia comportamental

10 dicas de como melhorar a sua relação com o dinheiro

Mitos e verdades sobre empreendedorismo que devemos conhecer

8 dicas do que fazer com a restituição do IR