Franchising, entenda como funciona o sistema de franquias


O franchising ou franquia, é um modelo de negócio. Nele, o proprietário fornece a sua marca para um investidor. Sendo que as franquias são padronizadas, o que garante a qualidade e o funcionamento similar em todas.

Uma das vantagens desse modelo para o franqueado é que ele conta com suporte e orientação contínuos. Contudo, ele precisa pagar uma parcela do faturamento da unidade ao franqueador.

O que é franchising?

franchising, ou franquia, é um modelo de negócio onde ocorre o fornecimento de uma marca do proprietário para um investidor.

Sendo assim, o dono da marca é o franqueador. Já o investidor é chamado de franqueado.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Um detalhe importante sobre o modelo de franquias é que elas funcionam todas da mesma forma e com a mesma qualidade. Ou seja, existe uma padronização entre franquias.

Inclusive, o processo para se tornar um franqueado é bem único. Isso porque ele pode envolver entrevistas e a seleção segundo o perfil definido pela rede franqueadora.

Um dos motivos que tornam este formato tão popular são as responsabilidades e possibilidades que rodeiam o franchising.

Por exemplo, o franqueador deve oferecer suporte e orientação contínuos. Isso é vantajoso para empreendedores iniciantes, já que ele conta com orientação profissional.

Contudo, o franqueado deve pagar uma parcela do faturamento da unidade ao franqueador.

Como funciona o franchising

As franquias funcionam com base em uma relação de interdependência entre a marca e o investidor. Isso porque as unidades da rede são gerenciadas pelos franqueados.

Sendo assim, os franqueados são as pessoas que investem e trabalham nas lojas. Como os franqueados usam a imagem da marca e o know-how do negócio, eles devem pagar algumas taxas.

a rede franqueadora fica responsável por dar suporte aos franqueados. Sendo que as informações transmitidas se referem a diversos aspectos do negócio.

Essa transmissão de conhecimento pode ser feita através de manuais e treinamentos, EAD ou presenciais.

Dessa forma, o intuito é preparar o empreendedor para que ele conheça a marca de forma profunda e seja capaz de dar continuidade ao negócio.

Lei de franquias

Na década de 1980 o movimento do franchising ganhou força no Brasil. Um dos motivos para isso foi a fundação da Associação Brasileira de Franchising (ABF), em 1987.

Como muitas empresas passaram a adotar esse modelo de negócios, a ABF sugeriu que as atividades fossem organizadas.

A Lei nº 8.955/1994 é chamada de Lei de franquias. Ela define o franchising como: “sistema pelo qual um franqueador cede ao franqueado o direito de uso de marca ou patente, associado ao direito de distribuição exclusiva ou semiexclusiva de produtos ou serviços , sem que, no entanto, fique caracterizado vínculo empregatício.”

Depois que a lei foi aprovada, as franquias passaram a ser ainda mais usadas no Brasil.

Isso porque, com a regulamentação, os empreendedores se sentiram mais seguros para investir neste modelo de negócio. Sendo assim, a década de 1990 foi marcada por um grande crescimento no setor.

Além disso, nessa época houve o aprimoramento das técnicas de gestão, de repasse de conhecimento e de organização de franquias. Tudo isso contribuiu para que o setor crescesse ainda mais.

Principais formatos de franquias

Os principais formatos de franchising são:

1- Lojas físicas

As lojas físicas são um modelo clássico que ainda é muito popular. Muitas pessoas acreditavam que, com o crescimento do e-commerce, as lojas físicas iriam perder a clientela.

Mas o fato é que as lojas físicas continuam sendo o principal formato usado pelos consumidores.

No modelo de franquias, cerca de 70% das vendas são presenciais. Sendo que cerca de 88% das unidades brasileiras de franquia são em lojas físicas.

Uma das vantagens das lojas físicas é que o formato é bem flexível. Com isso, esse modelo contempla a maioria dos segmentos de franquias.

Por outro lado, existe a desvantagem do alto investimento na instalação e no funcionamento da loja.

2- Quiosques

Os quiosques são espaços pequenos, geralmente montados em locais com grande circulação de pessoas. Algumas das vantagens desse modelo são: menor custo de aluguel, manutenção, reformas e instalação.

A desvantagem é que este é um formato bem específico e que só funciona em locais de grande circulação.

3- Food trucks

Food trucks é uma opção muito usada no ramo da alimentação. A estrutura é bem mais barata do que a de uma loja física, mais fácil de instalar e pode se deslocar.

Uma das principais vantagens desse modelo é que este é um modelo de fácil replicação e expansão.

Em contrapartida, a manutenção de um food truck pode acabar saindo mais caro do que manter uma loja tradicional.

4- Containers

Os containers são opções com menores custos de instalação e manutenção. Além disso, eles são bem práticos tanto na instalação, quanto no funcionamento.

Por outro lado, eles são espaços pequenos. Isso significa que não são todos os tipos de empresas que se adaptam a este modelo.

5- Home-based

O termo home-based pode ser traduzido como franquia doméstica. Portanto, são empresas que funcionam na própria casa do empresário e atuam online.

A grande vantagem é o baixo custo de instalação das unidades. No entanto, esse modelo não se encaixa em todos os tipos de negócios.

Vantagens das franquias

Algumas das vantagens do sistema de franquias são:

1- Credibilidade

As franquias geralmente são empresas bem conhecidas. Sendo assim, elas têm uma grande credibilidade junto ao público.

Dessa forma, quando uma nova franquia é aberta, essa credibilidade passa para ela. Isso é muito importante pois a marca já conta com muitos clientes que confiam nela, logo, tem mais chances de sucesso.

2- Apoio do franqueador

O apoio do franqueador é de extrema ajuda, principalmente, para empreendedores com pouca experiência de mercado.

3- Plano de negócios

Na maior parte dos casos, o franqueado conta não apenas com o apoio do franqueador, como também conta com um plano de negócio previamente definido. Isso reduz os riscos e aumenta as chances de sucesso do negócio.

4- Melhor planejamento dos custos

Ao contratar uma franquia, você sabe quanto será preciso investir para que a empresa comece a operar. Isso porque o contrato de uso de marca estabelece os custos com royalties, taxas e outras despesas.

Além disso, ele indica o quanto o franqueado deve investir para colocar o empreendimento em prática.

5- Independência jurídica e financeira

Por fim, existe ainda a vantagem da independência jurídica e financeira. Isso é possível pois o franqueador não é sócio e não tem qualquer parcela de propriedade sobre o negócio dos franqueados.

Desvantagens das franquias

Por outro lado, algumas desvantagens das franquias são:

1- Pouca flexibilidade

O franqueado não compra a marca, logo, ele não é dono da marca. Isso significa que ele tem que seguir as diretrizes  administrativas e estratégicas do franqueador.

Portanto, o franqueado tem pouca flexibilidade para decidir os rumos que o negócio irá tomar.

2- Riscos de falhas no sistema

Até mesmo as grandes franquias podem passar por falhas e erros. Com isso, os franqueados podem ser prejudicados.

Por exemplo, se houver uma falha nos parceiros logísticos, todos os franqueados são prejudicados. Afinal de contas, as franquias têm acordos de exclusividade, o franqueado fica refém em caso de falhas.

3- Localização

Por fim, existe o fato de que a instalação de franquias não ocorre onde o franqueado quiser. Por exemplo, algumas marcas só permitem a criação de franquias em locais onde existe um número mínimo de clientes em potencial.

Enfim, gostou de aprender sobre franchising? Então aproveite para descobrir como investir em startups com pouco dinheiro.

Fontes: Central do franqueado e Ideia noar.


Conte-nos a sua opinião...