Open Banking: o que é e como funciona?

Open Banking é um sistema que permite o compartilhamento de dados financeiros entre instituições autorizadas. Saiba como funciona.

27 de agosto de 2020 - por Sidemar Castro


O open banking é uma iniciativa do Banco Central do Brasil que permite o compartilhamento de dados e serviços financeiros entre instituições financeiras por meio da integração de seus respectivos sistemas.

O princípio fundamental do open banking é o consentimento do usuário, ou seja, as empresas deverão compartilhar informações de um cliente se ele solicitar e autorizar a transmissão dos dados para outra instituição. O open banking tem como objetivo democratizar o acesso a produtos financeiros, reduzindo a assimetria de informações e permitindo que o cliente escolha a instituição que oferece as melhores condições para cada serviço financeiro.

Na prática, o open banking permite que o cliente construa seu próprio banco, escolhendo acessar crédito em uma instituição, investimentos em outra e cartão de crédito em outra.

Conheça mais sobre open banking lendo esta matéria. Boa leitura.

O que é open banking

Open banking, também conhecido como Sistema Financeiro Aberto, é um sistema de compartilhamento de dados financeiros de forma padronizada. Em uma única plataforma integrada e segura (API), as diferentes instituições financeiras têm acesso a dados de clientes para oferecer produtos e serviços personalizados e mais vantajosos para cada caso.

Os benefícios do open banking incluem a facilitação da concessão de crédito, estabelecendo taxas mais certeiras ao perfil de risco do tomador do empréstimo. Servirá também para comparação de serviços entre as financeiras, custo de seguros, rentabilidade de investimentos e dos demais produtos bancários.

É importante ressaltar que o compartilhamento de dados só ocorre com a autorização expressa do cliente. Ele decide que dados são compartilhados, com quem e por quanto tempo. O cliente terá acesso a quais consentimentos estão válidos, para quais instituições compartilhou os dados e quais informações, de fato, foram enviados pela instituição financeira.

Como isso funciona?

O open banking funciona da seguinte maneira:

  • Padronização de Dados: Os dados dos clientes são padronizados e compartilhados para que os produtos e serviços bancários atendam às necessidades do público de forma personalizada.
  • Plataforma Integrada: Em uma única plataforma integrada e segura (API), as diferentes instituições financeiras têm acesso a dados de clientes para oferecer produtos e serviços personalizados e mais vantajosos para cada caso.
  • Consentimento do Cliente: O compartilhamento de dados só ocorre com a autorização expressa do cliente, que decide que dados são compartilhados, com quem e por quanto tempo. O cliente terá acesso a quais consentimentos estão válidos, para quais instituições compartilhou os dados e quais informações, de fato, foram enviados pela instituição financeira.
  • Benefícios: O open banking pode facilitar a concessão de crédito, estabelecer taxas mais certeiras ao perfil de risco do tomador do empréstimo. Servirá também para comparação de serviços entre as financeiras, custo de seguros, rentabilidade de investimentos e dos demais produtos bancários.

Quais são as vantagens do open banking?

As vantagens do open banking são diversas:

  • Liberdade e Autonomia para os Clientes: O open banking reduz a burocracia interna das instituições, facilitando a mudança de banco ou corretora de seguros, por exemplo.
  • Personalização de Produtos e Serviços: As instituições financeiras autorizadas a ter acesso aos seus dados cadastrais poderão analisar o seu perfil, conferir as suas taxas de produtos e serviços contratados em outras instituições, assim como o seu histórico de pagamentos e consumo.
  • Análises de Crédito Mais Precisas: Com base no nível de acesso aos seus dados, autorizado por você, será possível conhecer o seu perfil ainda com mais detalhes. Isso resulta em análises de crédito muito mais precisas, aumentando a capacidade dos bancos de oferecerem propostas adequadas ao seu perfil e momento de vida.
  • Poder de Negociação: Na hora de procurar por um empréstimo, o seu poder de negociação ganha força extra porque você vai conseguir comprovar mais facilmente a sua capacidade de pagamento.
  • Gestão Integrada: Se você tem relacionamento com diversas instituições financeiras, poderá concentrar a gestão das contas de todos os bancos na plataforma da sua preferência.
  • Competitividade no Mercado Financeiro: O open banking pode trazer mais competitividade ao mercado financeiro.

Atualmente, os bancos se veem como donos desses dados e muitos tratam os clientes de maneira não muito atraente. Com a autonomia dos clientes e esses dados disponíveis, os bancos terão que mudar sua postura e tratar melhor os clientes. Ou seja, os bancos terão que evoluir para se adaptar ao futuro dos bancos

O open banking é seguro?

Sim, o open banking é projetado para ser seguro. No entanto, como qualquer sistema que lida com dados sensíveis, existem riscos associados que devem ser gerenciados adequadamente.

O open banking assegura a padronização do compartilhamento de dados e serviços por meio de APIs, padrões e protocolos de programação que possibilitam a troca de informações entre plataformas. Todo o processo é realizado em um ambiente seguro e a permissão para compartilhar dados pode ser cancelada pelo cliente a qualquer momento.

No entanto, é importante estar ciente dos riscos potenciais. Por exemplo, um relatório da F5, uma empresa de cibersegurança corporativa, destacou que um ponto crítico é o consumo de APIs (interfaces de programação de aplicações), um tipo de ligação para que programas diferentes “conversem” entre si. Foi observado um aumento de incidentes nas APIs de open banking na Europa (Reino Unido) e na Ásia (Austrália e Singapura).

Para proteger o open banking brasileiro, a sugestão do relatório é usar plataformas de WAF (Firewall para aplicações web, em inglês) que empregam inteligência.

Portanto, embora o open banking seja projetado para ser seguro, é crucial que as instituições financeiras implementem medidas robustas de segurança cibernética e que os clientes estejam cientes dos riscos potenciais.

Quais informações são compartilhadas?

No open banking, as seguintes informações podem ser compartilhadas com o consentimento do cliente:

  1. Dados cadastrais: incluem nome, CPF, RG.
  2. Dados transacionais da conta: saldo, limite, extrato.
  3. Transações do cartão: fatura, limite.
  4. Operações de crédito: Informações sobre créditos já contratados por você, valores, juros.

Além disso, a partir de uma determinada data, os clientes podem solicitar que as instituições financeiras com as quais possuem vínculo compartilhem seus dados cadastrais e informações sobre transações em suas contas, cartão de crédito e produtos de crédito contratados.

O compartilhamento dessas informações só ocorre com a autorização expressa do cliente. O cliente decide que dados são compartilhados, com quem e por quanto tempo. O cliente terá acesso a quais consentimentos estão válidos, para quais instituições compartilhou os dados e quais informações foram enviadas pela instituição financeira.

Diferenças entre open banking e open finance

O open banking e o open finance são conceitos relacionados, mas têm algumas diferenças importantes.

Open Banking:

  • O open banking, ou sistema financeiro aberto, é um sistema que permite o compartilhamento de dados financeiros de forma padronizada.
  • Com o open banking, os clientes de produtos e serviços financeiros podem permitir o compartilhamento de seus dados entre instituições autorizadas pelo Banco Central.
  • Na prática, esse ecossistema permite que os consumidores “criem” seu próprio banco, selecionando as melhores vantagens de cada instituição.

Open Finance:

  • O open finance pode ser compreendido como uma evolução natural do open banking.
  • Com o open finance, mais instituições farão parte desse sistema, e não só bancos e fintechs.
  • A ideia é que sejam incluídas empresas como corretoras de investimentos, companhias de câmbio e fundos de previdência.
  • O intuito é que ele promova ainda mais diversidade nas operações ao incorporar todos os setores financeiros do país.

Portanto, enquanto o open banking foca principalmente em bancos e fintechs, o open finance amplia isso para o sistema financeiro como um todo, incluindo outros tipos de empresas financeiras.

Fontes:  Infomoney, Tecnoblog, Exame, G1 Economia, EInvestidor

10 dicas de como melhorar a sua relação com o dinheiro

Mitos e verdades sobre empreendedorismo que devemos conhecer

8 dicas do que fazer com a restituição do IR

Como comprar euro mais barato