Estratégia Barbell: o que é e como funciona nos investimentos?

A Estratégia Barbell é uma abordagem de alocação de ativos que divide o capital em investimentos de baixo e alto risco. Entenda como.

2 de outubro de 2023 - por Sidemar Castro


A estratégia Barbell é um formato de alocação de ativos que visa mesclar produtos de baixo risco com outros de altíssimo risco. Essa abordagem de investimentos é conhecida por ser uma estratégia “oito ou oitenta”, investindo apenas em ativos extremamente conservadores e extremamente agressivos.

O conceito por trás da estratégia é que ativos de risco moderado, que estejam no “meio da barra” (Barbell, em inglês, barra) tendem a se sair mal em situações de crise e estresse. A vantagem de investir seguindo a estratégia Barbell é que a exposição aos riscos do mercado não o levará à ruína, pois uma parte do patrimônio estará alocada em investimentos muito seguros.

Essa abordagem de balanceamento de carteira não se baseia na quantidade de ativos, mas sim no “peso” deles em cada um dos lados. A estratégia Barbell pode ser aplicada em diversos aspectos da vida, não apenas nos investimentos.

O que é a estratégia Barbell?

A Estratégia Barbell é um formato de alocação de ativos que visa mesclar produtos de baixo risco com outros de altíssimo risco. O principal objetivo é buscar o equilíbrio para uma carteira de investimentos. Essa abordagem do mercado financeiro foi desenvolvida por Nassim Taleb, um dos mais populares investidores e autor de Cisne Negro.

A base da Estratégia de Barbell está em dividir o capital disponível para investir em dois grandes grupos. O primeiro grupo será destinado aos investimentos seguros e deve utilizar entre 70% e 90% do dinheiro. O restante, entre 10% e 30%, deve ser destinado aos investimentos com alto risco.

Para a parcela de segurança, recomenda-se o uso da renda fixa para a maioria dos casos. O principal exemplo disso são os títulos públicos, pois o emissor é o governo e, portanto, o risco de crédito é reduzido. Para o perfil conservador, preferencialmente o Tesouro Selic, ativo que acompanha a movimentação das taxas de juros.

A Estratégia de Barbell utiliza também de outro conceito do próprio Nissim Taleb: o Cisne Negro. Esse é o nome que ele dá para eventos imprevisíveis. É algo que pode acontecer com pequenas empresas, gerando altos lucros para o nosso patrimônio. No entanto, é impossível saber quando uma companhia vai \”bombar\” no mercado financeiro.

Como ela funciona?

A estratégia Barbell funciona dividindo o capital disponível para investir em dois grandes grupos.

1. Investimentos Seguros

O primeiro grupo, que deve utilizar entre 70% e 90% do dinheiro, será destinado aos investimentos seguros. Estes são investimentos de baixo risco, como títulos públicos, que têm o governo como emissor e, portanto, um risco de crédito reduzido.

2. Investimentos de Alto Risco

O restante do capital, entre 10% e 30%, deve ser destinado aos investimentos com alto risco. Estes são geralmente investimentos em ativos ou empresas que têm o potencial para altos retornos, mas também apresentam um risco significativo.

A ideia por trás da estratégia Barbell é que os investimentos seguros fornecem uma base sólida e estável para a carteira, enquanto os investimentos de alto risco oferecem a oportunidade de obter retornos significativos. Esta abordagem busca equilibrar a segurança e o potencial de retorno em uma carteira de investimentos.

Em quais ativos a estratégia Barbell pode ser utilizada?

A estratégia Barbell pode ser aplicada a uma variedade de ativos. Aqui estão alguns exemplos:

1. Títulos Públicos

Títulos públicos são geralmente considerados investimentos seguros e podem compor a maior parte da carteira na estratégia Barbell. Eles têm o governo como emissor e, portanto, um risco de crédito reduzido.

2. Ações de Empresas Estabelecidas

As ações de empresas grandes e estabelecidas podem ser consideradas um investimento relativamente seguro, especialmente se essas empresas têm um histórico de desempenho estável.

3. Ações de Pequenas Empresas ou Startups

Estas são geralmente consideradas investimentos de alto risco, mas com potencial para altos retornos. Elas podem compor a menor parte da carteira na estratégia Barbell.

4. Criptomoedas

As criptomoedas são outro exemplo de um investimento de alto risco que pode ser incluído na estratégia Barbell. Embora voláteis, elas têm o potencial para retornos significativos.

5. Fundos de Investimento em Ações (FIA)

Estes fundos investem em uma carteira diversificada de ações e podem ser uma boa opção para a parte segura da estratégia Barbell.

6. Fundos de Investimento Multimercado (FIM)

Estes fundos investem em uma variedade de ativos e mercados e podem ser uma boa opção para a parte de alto risco da estratégia Barbell.

Lembre-se, a chave para a estratégia Barbell é equilibrar investimentos seguros com aqueles que têm o potencial para altos retornos.

A quem a estratégia Barbell é indicada?

A estratégia Barbell é indicada para investidores que:

  • Buscam Equilíbrio: A estratégia é ideal para aqueles que desejam equilibrar a segurança dos investimentos de baixo risco com o potencial de alto retorno dos investimentos de alto risco.
  • Diversificação: É adequada para investidores que entendem a importância da diversificação na redução do risco geral da carteira.
  • Flexibilidade: A estratégia Barbell pode ser ajustada para se adequar às necessidades e objetivos individuais do investidor, tornando-a adequada para uma ampla gama de perfis de investidores.
  • Aceitam Riscos Calculados: Embora parte do portfólio esteja em ativos de alto risco, esses são riscos calculados. Portanto, é indicada para investidores que estão dispostos a aceitar algum grau de risco em busca de retornos potencialmente mais altos.
  • Proteção contra Eventos Imprevistos: Investidores que desejam se proteger contra eventos imprevistos ou “cisnes negros” podem se beneficiar da estratégia Barbell.

No entanto, como qualquer estratégia de investimento, a estratégia Barbell não é adequada para todos. É importante que os investidores considerem seus próprios objetivos de investimento, tolerância ao risco e horizonte de tempo antes de adotar qualquer estratégia de investimento.

Fontes: Resumo Cast, Mais retorno, Andre Massaro, Luiz Fernando Roxo, Descompliqi, Seu Dinheiro

8 dicas do que fazer com a restituição do IR

Como comprar euro mais barato

As dívidas mais comuns entre os brasileiros e como evitá-las

Programa de fidelidade: o que é, como funciona e exemplos