Ativos tangíveis e intangíveis: o que são e diferenças entre eles

Ativos tangíveis são aqueles que podem ser tocados e os intangíveis, os imateriais. Saiba o que são e qual a diferença entre eles.

5 de outubro de 2021 - por Sidemar Castro


Ativos tangíveis e ativos intangíveis, você sabe a diferença entre eles?

Em contabilidade financeira, um ativo é qualquer recurso de propriedade ou controlado por uma empresa ou entidade econômica. É alguma coisa que pode ser usada para produzir um valor econômico positivo. Assim, os ativos representam o valor de propriedade que pode ser convertido em dinheiro.

Os ativos se dividem entre tangíveis e intangíveis. O primeiro tipo são os bens e direitos permanentes e concretos, aqueles que podem ser tocados. O segundo, se refere a bens imateriais, isto é, um ativo não monetário identificável sem substância física.

Leia a matéria a seguir, e saiba mais sobre a diferença entre esses dois tipos de ativos.

O que são ativos?

Ativos são recursos que uma empresa ou entidade econômica possui e controla, podendo ser convertidos em dinheiro ou outros meios líquidos. Eles representam o valor de propriedade que pode ser utilizado para gerar benefícios econômicos. Os ativos podem ser classificados em duas categorias principais:

  • Ativos tangíveis: são bens físicos, como imóveis, veículos, equipamentos e estoques.
  • Ativos intangíveis: são recursos não físicos, como marcas registradas, patentes, direitos autorais e goodwill.

Os ativos tangíveis podem ser divididos em subclasses, incluindo ativos circulantes e ativos não circulantes, ou fixos.

Ativos circulantes

Ativos circulantes são os bens e direitos que podem ser convertidos em dinheiro em um curto prazo, geralmente em até um ano. Eles são parte do ativo total de uma empresa e são fundamentais para o financiamento das atividades diárias da empresa.

Os ativos circulantes incluem:

  • Caixa e equivalentes de caixa: Isso inclui dinheiro em caixa, depósitos bancários e outros investimentos de alta liquidez que podem ser facilmente convertidos em dinheiro.
  • Contas a receber: São valores que a empresa tem a receber de seus clientes por vendas a prazo.
  • Estoques: Isso inclui matérias-primas, produtos em processo e produtos acabados que a empresa tem em estoque.
  • Despesas antecipadas: São pagamentos feitos antecipadamente por serviços ou bens que serão recebidos no futuro.

A gestão eficaz do ativo circulante é vital para a saúde financeira e operacional de uma empresa. Uma empresa com uma quantidade adequada de ativos circulantes pode pagar suas obrigações de curto prazo, o que pode levar a taxas de juros mais baixas e melhor crédito, o que é benéfico para o crescimento futuro.

Ativos não circulantes

Ativos não circulantes ou fixos, são bens e direitos de uma empresa que não podem ser facilmente convertidos em dinheiro a curto prazo, geralmente em um ano fiscal. Esses ativos são de longo prazo e têm a intenção de serem utilizados na atividade da empresa, em vez de serem vendidos ou consumidos rapidamente.

Eles são agrupados no balanço patrimonial juntamente com os ativos circulantes, passivos e patrimônio líquido, fornecendo uma visão completa da situação financeira de uma empresa.

Existem dois tipos de ativos não circulantes:

  • Ativos não circulantes imobilizáveis: são bens tangíveis, ou seja, recursos físicos que podem ser tocados. Exemplos incluem máquinas, equipamentos, móveis e imóveis.
  • Ativos não circulantes intangíveis: são bens incorpóreos, ou seja, não possuem uma forma física. Exemplos incluem propriedade intelectual (como marcas e patentes), direitos autorais e softwares.

O que são ativos tangíveis?

Ativos tangíveis são bens de natureza permanente, utilizados para a manutenção da atividade da corporação e integridade do patrimônio. Ou seja, são bens concretos que possuem valor comercial e podem ser negociados entre dois agentes.

Exemplos

  • Imóveis
  • Terrenos
  • Máquinas
  • Equipamentos
  • Veículos
  • Estoques

Importância

Os ativos tangíveis são adquiridos com a intenção de realizar operações benéficas para a economia e manutenção comercial da empresa. Uma das principais características de controle sobre um ativo tangível é a mensuração do seu período de depreciação.

Para efeito fiscal, a lei determina e classifica cada tipo de bem por seu tempo de vida útil, definindo assim sua taxa de depreciação. Essa taxa corresponde à dedução mensal do valor contábil de cada bem, para que ao fim de sua vida útil seu valor residual seja igual a zero.

O objetivo da depreciação é garantir que, ao final da vida útil do ativo tangível, a empresa tenha uma reserva para adquirir outro e, assim, continuar a sua operação. Um dos principais quesitos para o controle do ativo tangível é a mensuração do período de depreciação.

Taxa de depreciação

Essa taxa é equivalente à dedução mensal do valor contábil dos bens, para que, ao final da vida útil, seu valor residual seja zero. Sendo assim, a intenção da taxa de depreciação é garantir que a empresa tenha uma reserva para comprar outro bem, quando o ativo atual chegar ao fim da sua vida útil.

Assim, a empresa pode usar a reserva para comprar um novo ativo e poderá continuar a sua operação. É importante destacar que o tempo de depreciação de cada ativo é diferente. Por exemplo, um veículo tem um tempo de depreciação diferente de um imóvel. Além disso, é possível prolongar a vida útil de um ativo. Por exemplo, é possível prolongar a vida útil de um imóvel por meio de uma boa reforma.

Existem alguns tipos de casos, em que a lei permite que a depreciação do bem seja feita em taxas maiores do que as normais. Como exemplo, dependendo da máquina industrial usada e do tipo de negócio, a empresa pode fazer essa depreciação em taxas maiores, se os equipamentos forem usados em mais de um turno operacional.

Essa possibilidade existe pois a intenção é que o balanço patrimonial seja um reflexo da realidade da empresa. Sendo assim, ocorre o ajuste do valor de cada ativo tangível ao longo do tempo.

Um detalhe importante é que alguns tipos de bens não perdem valor com o passar do tempo. Um exemplo disso são os terrenos. Neste caso, a taxa de depreciação não é necessária, exceto se a atividade da companhia consiste em explorar minas e jazidas.

O que são ativos intangíveis?

Os ativos intangíveis são bens que uma empresa possui, mas que não são tangíveis, ou seja, não podem ser tocados. Eles são bens imateriais da empresa, como marcas, patentes, licenças, softwares, estratégias de mercado, princípios, integridade, recursos tecnológicos e humanos, e também o conhecimento gerado pelo aprendizado organizacional.

Exemplos

  • Marcas
  • Patentes
  • Licenças
  • Softwares
  • Estratégias de mercado
  • Princípios
  • Integridade
  • Recursos tecnológicos e humanos
  • Conhecimento gerado pelo aprendizado organizacional

Importância

Os ativos intangíveis são importantes para a economia e manutenção comercial da empresa. Eles possuem vida econômica definida e podem ser amortizados ao longo do tempo.

Além disso, eles podem ser perpétuos, ou seja, sem vida útil definida, como marcas e “Goodwill” – elementos imateriais ligados ao desenvolvimento de um negócio.

Embora os ativos intangíveis possam ser mais difíceis de comercializar do que os ativos tangíveis devido a questões burocráticas e legislativas, eles ainda desempenham um papel crucial na definição do valor de mercado de uma empresa.

Sendo assim, com essas informações os investidores podem analisar em detalhes como está a saúde financeira da empresa e seu potencial de rendimento, para decidir entre investir ou não na empresa.

Já para os gestores, analisar os ativos tangíveis e o balanço patrimonial como um todo, é uma maneira de tomar decisões mais acertadas para o negócio. Isso porque o balanço patrimonial é um importante instrumento para avaliar a saúde financeira do negócio.

Quais são as diferenças entre ativos tangíveis e intangíveis?

Algumas diferenças entres os dois tipos de ativos são:

1. Material ou não

Como o próprio nome indica, os ativos tangíveis são aqueles que podem ser tocados. Por outro lado, os ativos intangíveis são os ativos imateriais, que não podem ser tocados.

Alguns exemplos são: marcas, integridade, tecnologia, recursos humanos, estratégias de mercado e princípios. Os dois tipos de ativos são muito importantes em uma empresa.

2. Composição das empresas

Uma curiosidade é que até a década de 1980, o valor de uma empresa era composto sobretudo por bens tangíveis. Enquanto que, hoje, com a modernização e a evolução tecnológica e de recursos didáticos, ocorreu a inversão dessa situação.

Apesar disso, existem alguns tipos de empresas que ainda têm uma grande quantidade de ativos tangíveis.

Por exemplo, empresas de manufatura, que fazem a produção de bens, geralmente têm muitos ativos tangíveis. Já as empresas de tecnologia costumam ter, principalmente, ativos intangíveis.

Se essa matéria lhe interessou, então talvez também se interesse por esta: Buy side: o que é e qual o papel dele?

8 dicas do que fazer com a restituição do IR

Como comprar euro mais barato

As dívidas mais comuns entre os brasileiros e como evitá-las

Programa de fidelidade: o que é, como funciona e exemplos