Íris Fontbona: conheça a mulher mais rica da América Latina

24 de junho de 2024 - por Sidemar Castro


Íris Fontbona é a mulher mais rica da América Latina e uma das pessoas mais ricas do mundo.

Ela é uma magnata da mineração chilena, proprietária de mídia e empresária bilionária. Íris herdou a fortuna e os negócios do seu falecido marido, Andrónico Luksic Abaroa, que construiu um império nos setores de mineração, bancos e bebidas.

Atualmente, Íris Fontbona é a 10ª mulher mais rica do mundo, com um patrimônio estimado em US$ 27,6 bilhões (cerca de R$ 150 bilhões).

Quem é Íris Fontbona?

Íris Fontbona, cujo nome completo é Iris Balbina Fontbona González, é uma magnata da mineração de cobre no Chile, proprietária de mídia e empresária bilionária. Nascida em Antofagasta, Chile, em 1942, ela herdou a Antofagasta PLC, uma das maiores empresas de mineração de cobre do mundo, de seu falecido marido, Andrónico Luksic Abaroa.

Em 2023, a Forbes a listou como a mulher mais rica da América Latina e a nona mulher mais rica do mundo, com um patrimônio líquido estimado em US$ 27,9 bilhões. Sua trajetória é um exemplo de superação, determinação e visão empresarial, tornando-a uma figura respeitada no Chile e no mundo.

Apesar de sua riqueza e influência, Íris mantém um perfil discreto e é conhecida por sua filantropia e apoio a causas sociais no Chile.

Família

Íris Fontbona é a matriarca da família Luksic, uma família de origem croata e catalã. Seu pai, Luis Fontbona Buxallen, era descendente de catalães, e sua mãe, Emma González Morales, era de Valparaíso, no Chile.

Ela se casou com Andrónico Luksic Abaroa, um empresário que construiu um império nos setores de mineração, bancos e bebidas. Após a morte de Andrónico em 2005, Íris herdou a fortuna e os negócios da família, tornando-se uma das mulheres mais ricas do mundo.

Qual é a origem da fortuna de Íris Fontbona?

A origem da fortuna de Íris Fontbona está ligada ao setor de mineração de cobre, em particular ao império empresarial construído pelo marido, Andrónico Luksic Abaroa. Andrónico começou a carreira como dono de uma concessionária Ford e mais tarde se aventurou no ramo de mineração.

O ponto de virada nos negócios da família ocorreu devido a um engano durante uma transação com um consórcio japonês, que resultou em um pagamento muito maior do que o esperado. Esse capital inesperado permitiu a expansão dos negócios de Andrónico, principalmente na extração de cobre.

A fortuna da família Luksic teve origem no empreendedorismo de Andrónico Luksic Abaroa, o patriarca da família. Alguns detalhes:

Andrónico Luksic Abaroa fundou a Quiñenco em 1957, inicialmente como uma fabricante de escoras de madeira para túneis subterrâneos. Ao longo dos anos, Andrónico expandiu os negócios da Quiñenco para os setores de mineração, bancos e bebidas, construindo um verdadeiro império empresarial.

Após a morte de Andrónico em 2005, sua esposa Íris Fontbona herdou a fortuna e os negócios da família, tornando-se uma das mulheres mais ricas do mundo.

Atualmente, a família Luksic, liderada por Íris Fontbona e seus filhos, controla empresas como a Antofagasta PLC (mineração de cobre), o Banco de Chile, a Compañía Cervecerías Unidas (CCU) e a Quiñenco.

Apesar de alguns investimentos criticados pelos analistas, a fortuna da família Luksic tem crescido significativamente nos últimos anos, dobrando de tamanho desde 2018.

Quais são as expectativas para a empresa de Íris Fontbona?

As expectativas para a Antofagasta PLC, empresa de mineração de cobre de Íris Fontbona, estão intimamente ligadas ao mercado global de cobre e às condições econômicas. Como uma das principais produtoras de cobre, a empresa enfrenta os seguintes fatores que podem influenciar seu desempenho:

O primeiro, é a demanda global por cobre. Essa demanda está relacionada à industrialização, infraestrutura e eletrificação. O crescimento econômico em países como China e Índia pode impulsionar a demanda por cobre, enquanto desacelerações econômicas podem afetar negativamente.

Outra questão é o preços do cobre. A volatilidade nos preços do mineral afeta diretamente os lucros da Antofagasta. Eventos geopolíticos, oferta e demanda, e flutuações cambiais podem impactar os preços.

A empresa também deve manter operações eficientes, reduzir custos e otimizar a produção para maximizar os lucros.

Finalmente, a sustentabilidade e regulamentações. A Antofagasta deve cumprir regras ambientais e sociais, garantindo práticas sustentáveis e responsáveis.

Ou seja, as expectativas para a empresa dependem desses fatores externos e da capacidade da Antofagasta de se adaptar e inovar no setor de mineração de cobre.

Fontes: CNN Brasil, Exame, O Antagonista, O Globo, Forbes

George Stigler: vida e carreira do Nobel de economia

Margaret Thatcher: quem foi e quais foram as contribuições dela?

Economia comportamental: o que é e como funciona?

Daniel Kahneman: biografia e carreira do Nobel de economia