Golpes bancários: os mais comuns e como se proteger?

25 de outubro de 2022 - por Jaíne Jehniffer


Os golpes bancários são praticados por criminosos que visam roubas informações bancárias das pessoas. Desse modo, a pessoa que caiu no golpe pode perder muito dinheiro.

Esse tipo de golpe praticamente dobrou no último ano, de acordo com o levantamento da PSafe, empresa de cibersegurança.

Para você ter uma ideia, apenas entre janeiro e julho desse ano, foram mais de 5.091.384 tentativas de golpes.

No mesmo período do ano passado, foram 2.581.200 tentativas de golpes financeiros. Isso representa um aumento de mais de 97%.

Sendo que, com o desenvolvimento tecnológico, os golpes também foram se adaptando. Ou seja, novos golpes foram criados com o passar do tempo.

Por exemplo, um golpe muito comum, é o envio de links falsos por e-mails, SMS e aplicativos de mensagem como o Whatsapp. Neste caso, é preciso ficar atento e não informar seus dados ou senha.

Quais são os principais tipos de golpes bancários e como evitar?

Os principais golpes bancários e a forma de evitá-los são:

1- Falsa central de atendimento

Nesse tipo de golpe, o criminoso entra em contato com a vítima por meio de uma suposta central de atendimento. Desse modo, ele finge ser um funcionário do banco onde a vítima tem uma conta bancária.

Em resumo, na ligação o golpista diz que a conta da pessoa foi invadida, clonada ou que houveram compras irregulares. Dessa maneira, ele pede que a vítima informe os seus dados pessoais e financeiros.

Além disso, durante a ligação o criminoso solicita que a vítima digite a senha do cartão. De posse dos dados e da senha, o golpista acessa a conta da vítima e rouba o seu dinheiro.

Para evitar esse tipo de golpe, desconfie sempre que receber esse tipo de ligação. Isso porque um banco nunca liga para o cliente pedindo senha, o número do cartão e solicitando uma transferência.

A dica é desligar a ligação e entrar em contato imediato com o seu banco por meio de um canal oficial de atendimento para saber se realmente houve algo de errado com a sua conta.

2- Falso motoboy

Esse tipo de golpe é parecido com o golpe da falsa central de atendimento. Portanto, o golpista liga e diz que o cartão foi fraudado.

Depois disso, ele solicita a senha e informa que o cartão será cancelado por motivos de segurança e que o banco irá expedir outro. Por fim, ele diz que um motoboy vai passar para recolher o cartão antigo.

Pode ocorrer ainda dos golpistas pedirem para a vítima cortar o cartão. Mesmo assim, o chip continua utilizável.

Se tentarem te aplicar esse golpe, tenha em mente que os bancos nunca pedem o cartão de volta e muito menos mandam um motoboy buscar.

Portanto, se você receber esse tipo de ligação, não passe os seus dados e não entregue o seu cartão. Se você estiver em dúvida, desligue e entre em contato com o seu banco por meio do canal oficial de atendimento.

3- Roubo de senhas

Os criminosos usam de várias artimanhas para roubar as senhas e dados das pessoas. Por exemplo, eles podem fingir ser funcionários de um banco e ficar olhando você colocar a senha do cartão no caixa eletrônico.

Os golpistas podem ainda roubar o seu celular, por exemplo, para procurar por senhas que você possa ter anotado em blocos de notas, e-mail ou afins.

Para evitar cair nesse tipo de golpe, sempre guarde as suas senhas com muito cuidado. Não anote sua senha em locais que podem ser facilmente encontrados.

Além disso, escolha senhas diferentes para cada uma das suas contas e defina senhas fortes evitando números repetidos e datas de aniversário, por exemplo.

4- Golpe do falso leilão

Por meio de sites falsos de leilão, os golpistas anunciam vários tipos de produtos por preços bem abaixo do mercado.

Quando a vítima demonstra interesse em comprar algo, eles pedem dinheiro para que assegurar a compra.

Eles costumam ainda apelar para a urgência em fechar o negócio para que a vítima não perca a suposta oportunidade.

Para se proteger, pesquise sobre a suposta empresa de leilões em sites de reclamação e confira qual é o CNPJ da empresa.

Além disso, não faça pagamentos em sites que tenham o cadeado de segurança e certificados digitais para transações.

5- Links falsos e phishing

O envio de links falsos é um dos golpes mais comuns. Nele o golpista envia links falsos por e-mails, SMS e aplicativos de mensagem como o Whatsapp.

Geralmente os criminosos dizem que existe algum problema com a conta da vítima ou algo do tipo. Com isso, eles pedem os dados pessoais e as senhas das vítimas.

Neste caso, ao acessar o site, confira se na barra do navegador se o endereço da página de internet está correto e se há o ícone de um cadeado no lado esquerdo da barra de endereços.

Além disso, não clique em links ou anexos de e-mails de remetentes desconhecidos. Por fim, não informe seus dados e use um antivírus no computador.

6- Falso boleto

Os criminosos podem criar um boleto com várias informações sobre a vítima, para que ele pareça bem convincente. Eles enviam então esse boleto por e-mail, correios ou SMS.

O cliente acaba pagando o boleto falso e o fraudador recebe o dinheiro ao invés do verdadeiro credor. Para evitar esse tipo de golpe, fique de olho nos dados do beneficiário do boleto.

Sendo assim, confira informações como CNPJ do emissor, o valor e confira se os três primeiros números do código de barras de fato correspondem ao código do banco.

7- Golpes bancários no WhatsApp

Por fim, temos os golpes bancários no WhatsApp. Em resumo, os golpistas clonam a conta de WharsApp e usam essas informações para tentar cadastrar a conta da vítima nos aparelhos deles.

No entanto, para concluir a operação, é preciso inserir o código de segurança enviado por SMS. Desse modo, eles fingem ser um serviço de atendimento ao cliente e enviam uma mensagem no WhatsApp solicitando esse código.

Com o código, os criminosos clonam a conta de WhatsApp em outro aparelho e têm acesso às conversas e contatos.

Desse modo, eles passam a enviar mensagens para os contatos, fingindo que são a vítima e pedindo dinheiro emprestado. Para se proteger, você precisa evitar possíveis invasões e clonagens.

Para isso, entre nas configurações do aplicativo e clique em “Conta”, depois em “Confirmação em Duas Etapas” e ative essa funcionalidade de segurança com uma senha.

Além disso, em configurações de privacidade, deixe a sua foto de perfil pública apenas para os seus contatos. Assim ninguém usa sua foto para aplicar golpes.

LEIA MAIS

Pump and dump de criptomoedas: o que é e como funciona o golpe?

Veja alguns golpes mais usados por meio do Pix e dicas para previnir

Esquema Ponzi: o que é e como funciona?

Scams no mercado das criptomoedas: saiba como identificar e evitar

5 lições financeiras de O Golpista do Tinder, documentário da Netflix

6 Dicas para não ser um pobre burro

Fontes: Yahoo, Fdr e Cnn.

Microeconomia: o que é, como funciona e quais são os elementos?

George Stigler: vida e carreira do Nobel de economia

Margaret Thatcher: quem foi e quais foram as contribuições dela?

Economia comportamental: o que é e como funciona?