Diversificação e pulverização: qual a diferença?


Que a diversificação da carteira de investimentos é importante, você já deve saber. Mas você também sabia que, caso diversifique em excesso, pode acabar pulverizando o seu patrimônio?

Pois é, e a pulverização pode ser muito prejudicial para a sua carteira

O que é diversificação?

Antes de falar sobre as diferenças entre diversificação e pulverização, é importante que você entenda esses dois conceitos.

Em 1º lugar, a diversificação consiste em investir em diferentes ativos que têm comportamentos diferentes em função de um mesmo evento.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

No entanto, quando a diversificação é feita em excesso, temos a chamada pulverização. Ou seja, neste caso o investidor dilui o seu patrimônio em vários tipos de aplicações financeiras.

Sendo que, no mundo dos investimentos, existem dois tipos de riscos:

1- Riscos diversificáveis. São os riscos relacionados com as atividades de uma empresa ou de um setor. Como são riscos mais específicos, eles podem ser reduzidos por meio da diversificação. 

2- Riscos não diversificáveis. Como o próprio nome indica, esses riscos não podem ser reduzidos por meio da diversificação.

Isso ocorre pois eles são riscos mais gerais, que afetam os ativos como um todo. Um exemplo disso são casos de guerra e cenários de instabilidade política.

Por que fazer a diversificação da carteira

Ao criar uma carteira de investimentos, é essencial diversificar entre diferentes classes de ativos. Isso porque, ao diversificar, você consegue diluir os riscos da sua carteira.

Isso ocorre pois os diferentes ativos estão sujeitos a riscos diferentes. Dessa forma, quando certo evento ocorre no mercado, cada um deles se comporta de forma diferente.

Por exemplo, com o aumento da taxa Selic, a bolsa tende a cair. Por outro lado, surgem várias opções de títulos de renda fixa com retornos mais altos.

Portanto, como não é possível prever os eventos futuros que irão impactar o mercado positivamente ou negativamente, é essencial diversificar e estar preparado para qualquer cenário. 

Em relação a quantidade de ativos necessários na carteira, isso vai depender de vários fatores, inclusive o valor que você tem investido.

Contudo, Harry Markowitz fez um estudo e chegou à conclusão de que o risco não-sistêmico é reduzido em uma carteira de investimentos com até 15 ativos. Depois disso, a queda ainda é considerável até 20 ativos.

Depois de 20 ativos, não existe mais um ganho considerável na mitigação do risco não-sistêmico.

O problema da pulverização

Todos os investimentos têm algum tipo de custo. Por exemplo, você tem que pagar taxas, impostos e etc. Quando você pulveriza a sua carteira, você aumenta os seus custos, o que impacta na sua rentabilidade.

Desse modo, quanto mais você pulveriza a sua carteira, menores são os valores que você aplica em cada tipo de ativo.

Além dos custos, outro problema com a pulverização é que você tem a falsa sensação de segurança. Sendo assim, você acha que está muito protegido ao pulverizar a sua carteira. Mas a diversificação ainda é a melhor opção.

Por fim, existe a questão de que muitas pessoas pensam que estão diversificando, mas na verdade estão pulverizando o patrimônio em ativos parecidos.

Neste caso, a carteira como um todo pode ser prejudicada por certos eventos. Por exemplo, vamos supor que você vai começar a investir agora.

Vamos imaginar também que você tem mil reais para começar a investir. Logo, você opta por investir os mil reais em ações de 15 bancos diferentes.

Neste caso, você terá pulverizado o seu dinheiro. Além disso, você terá investido em ativos muito parecidos. Isso significa que, se o setor bancário passar por uma baixa, a sua carteira como um todo irá cair.

O mesmo não ocorre com uma carteira bem diversificada, já que, além de investir em classes diferentes de ativos, também seria ativos descorrelacionados.

Diferenças entre diversificação e pulverização

Como você já sabe, a diversificação é uma forma de investir em diferentes tipos de ativos. Essa é uma atitude essencial, já que não somos capazes de prever como o mercado irá se comportar no futuro.

Por outro lado, a pulverização é a diversificação em excesso. Ou seja, é quando uma pessoa investe em ativos demais. Isso faz com que o seu patrimônio seja diluído; o que estrategicamente pode não ser uma boa.

Por exemplo, ao diversificar você se prepara para diversos eventos que podem impactar no retorno da sua carteira.

Nesse caso, se certa classe de ativos se desvalorizar por causa de certos eventos, as outras classes amortecem a queda.

Já na pulverização, como você tem ativos demais, pode ser que você não consiga tirar vantagem dessas situações.

Por exemplo, se uma ação se valorizar muito, você não terá um grande aumento na sua carteira, já que terá uma participação muito pequena nessa e em várias outras ações. Enfim, são vários os problemas da pulverização.

Dicas para diversificar de forma eficiente

Algumas dicas da Pandhora, para que você faça uma boa diversificação são:

1- Investimentos seguros. Ao montar a sua carteira, aplique em renda fixa e em renda variável. Em outras palavras, não invista apenas em ações e outros ativos de renda variável.

Tenha também uma parte do seu patrimônio alocado em ativos de renda fixa, que são mais seguros. Isso porque, em certos momentos, a renda fixa oferece um retorno bem atrativo.

Além disso, os dois tipos de investimentos não têm correlação entre si, o que é muito importante.

2- Ativos de Hedge. Alguns ativos exercem função de Hedge, isto é, de proteção da carteira. Dois exemplos disso são o dólar e o ouro.

Os dois costumam ter um comportamento oposto à renda variável. Sendo que, o ouro, principalmente, pode ser útil na criação de uma reserva de valor.

Por fim, assista ao vídeo de Raul Sena, o Investidor Sardinha e aprenda na prática como fazer uma correta diversificação da carteira:

Enfim, no texto acima você aprendeu o que é diversificação e pulverização, tendo como base o conceito explicado pelo blog Dica de Hoje e Ativa Investimentos.

Para você aprender a investir melhor não deixe de aprender mais sobre o risco não diversificável e como evitá-lo.


Conte-nos a sua opinião...