Finanças para casais: 8 dicas para organizar o orçamento juntos


As finanças para casais é muito importante para que um relacionamento dê certo.

Isso porque um dos principais motivos de divórcio é o financeiro, seja pela falta de transparência à parceria, seja pela desorganização financeira.

No entanto, existem formas simples de administrar as finanças do casal de forma efetiva e, com isso, evitar brigas e possíveis divórcios por questões financeiras!

8 dicas de finanças para casais

Confira abaixo algumas dicas para as finanças para casais:

1- Converse sobre dinheiro

Para muitas pessoas, conversar sobre dinheiro é um verdadeiro tabu. No entanto, é essencial que o casal converse sobre isso.

Caso contrário, muitas brigas podem surgir por causa do entendimento que cada um tem acerca do dinheiro. Por outro lado, ao conversar o casal pode chegar a um entendimento em comum, evitando brigas futuras.

Sendo que, é essencial estar disposto a ouvir o parceiro. Por exemplo, é preciso conversar sobre quanto cada um recebe, seus custos de vida e objetivos financeiros.

Além disso, é essencial definir como será gasto o dinheiro. Por exemplo, vocês irão juntar o dinheiro ou cada um vai arcar com algumas despesas?

2- Saiba qual é a renda da família

Ao seguir a dica anterior, dê uma atenção especial para a renda que vocês dois têm juntos. Isso porque, para definir quais serão os gastos mensais, é preciso saber qual é a renda total de vocês.

Em outras palavras, o teto de gasto do mês deve ser estabelecido com base na renda da família. Assim vocês evitam o endividamento.

3-  Finanças para casais: definição da divisão das despesas

Se os dois trabalham e tem uma fonte de renda, é essencial definir qual será a contribuição de cada um. Existem formas diferentes de fazer a divisão das despesas.

Por exemplo, vocês podem colocar o dinheiro em uma conta conjunta, pagar as despesas, separar o dinheiro dos investimentos e dividir o que sobrar entre os dois.

Em contrapartida, existem casais que preferem que cada um continue com o seu salário. Logo, eles definem quem irá pagar cada conta e pronto.

A melhor forma vai depender de você e seu parceiro. Por isso, é importante conversar na hora de tomar esse tipo de decisão.

Além disso, se a forma que vocês decidiram a divisão das despesas não tiver dando certo, conversem e tentem novas formas.

4- Despesas pessoais

Além de arcar com as despesas em conjunto como, por exemplo, aluguel, água e energia, é essencial que cada um receba uma quantia de dinheiro por mês para gastar como quiser.

Isso possibilita que cada um tenha sua individualidade e evita muitas brigas.

Por exemplo, se o dinheiro for todo do casal, cada vez que você quiser comprar alguma coisa para você, é preciso consultar o parceiro, já que o dinheiro é dos dois.

Por outro lado, se cada um tiver uma espécie de “mesada”, você pode gastar a sua parte como quiser, na hora que quiser. Esse tipo de liberdade é muito importante em um relacionamento.

Eliane Tanabe Deliberali, planejadora financeira pela Associação Brasileira de Planejamento Financeiro (Planejar), explica que:

“Cada um tem suas individualidades e é preciso ter espaço para isso também. Do contrário, a pessoa fica muito restrita financeiramente para fazer algumas coisas que gosta e até precisa”

Inscreva-se na Pior Newsletter Possível!

Receba os melhores conteúdos (ou não) gratuitamente!

Usamos a Sendinblue como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para enviar este formulário, você reconhece que as informações fornecidas por você serão transferidas para a Sendinblue para processamento, de acordo com o termos de uso deles

5- Controle financeiro

O controle financeiro é uma forma de organizar as finanças da família. Sendo assim, ele é essencial para que vocês consigam manter a saúde financeira e alcançar os objetivos financeiros.

Com o controle financeiro, vocês definem, por exemplo, quanto será gasto em cada coisa, quais objetivos financeiros serão realizados e o quanto destinar para os investimentos.

6- Finanças para casais: reserva de emergência

A reserva de emergência é um dinheiro para ser usado em imprevistos. Sendo que o valor da reserva varia de acordo com a situação financeira do casal.

Contudo, ela costuma ser equivalente a 6 meses de gastos mensais. Como é um valor alto, a dica é todos os meses destinar uma parte da renda para a construção da reserva, aos poucos.

Enfim, ter essa reserva é essencial para a saúde financeira do casal.

7- Objetivos em conjunto e individuais

Converse com o seu parceiro e defina quais são os objetivos em conjunto e individuais de vocês. Por exemplo, vocês podem ter o sonho em conjunto de comprar um imóvel.

Sabendo quais são os objetivos, vocês podem se organizar para poupar dinheiro para realizá-los.

De acordo com Luiz Gustavo Stachowoski: “Ter objetivos financeiros em conjunto ajuda não só na organização das finanças para os ambos e o planejamento do futuro a dois, como também fortalece a própria relação. Liste os objetivos e defina prioridades no curto, no médio e no longo prazos”.

8- Agir em parceria

Por fim, não se esqueça de que a sua esposa ou esposo é o seu parceiro. Isso significa que vocês devem agir como um time e não como competidores ou inimigos.

Agir com parceria nas finanças é, por exemplo, não deixar todo o controle financeiro nas costas do conjure.

LEIA MAIS

Controle de gastos de cartão de crédito: como fazer?

Planejamento Financeiro Familiar: como começar

Mindset financeiro, o que é? Definição, como é moldado e como mudar

Objetivos financeiros, o que são? Exemplos e como definir passo a passo

Como se preparar financeiramente para despesas do fim de ano

Juntar dinheiro: dicas e hábitos para economizar e poupar

Economia doméstica, o que é? Como fazer e dicas para economizar

Método 50-30-20: descubra o que é e como funciona

18 dicas para aproveitar a Black Friday da melhor forma possível

Fontes: E-investidor, Serasa e Época negócios.

Bibliografia

  • Ramos, Fabiana. Finanças para casais: 7 dicas para planejar o orçamento a dois. Serasa. Acesso em 12 de dezembro de 2022.

Conte-nos a sua opinião...