Economia doméstica, o que é? Como fazer e dicas para economizar

18 de dezembro de 2020, por Jaíne Jehniffer

Tempo de leitura médio: 8 min, 44 seg


A economia doméstica é uma maneira de administrar os recursos familiares de forma a realizar gastos mais conscientes. Portanto, é uma forma de equilibrar o consumo e o dinheiro poupado.

O processo para se economizar em casa, passa por uma série de etapas, como o planejamento e o corte de gastos.  Realizar estas etapas é importante para que a economia se torne um hábito e não uma coisa passageira.

É possível economizar em diversas pequenas coisas, que no final do mês representam uma economia significativa. Com o dinheiro poupado, a família pode realizar diversos projetos, como por exemplo, uma viagem.

O que é economia doméstica

A economia doméstica é uma forma de realizar gastos conscientes, procurando o equilíbrio entre as despesas essenciais e os gastos supérfluos. Dessa maneira, o objetivo é adquirir hábitos que gerem uma estabilidade financeira familiar

Além disso, com a economia doméstica, fica mais fácil poupar para realizar outros objetivos, como por exemplo, atingir a liberdade financeira. Por fim, vale considerar que o meio ambiente também sai ganhando quando você decide por economizar recursos como água e energia. 

Qual é a importância da economia doméstica?

A economia doméstica ajuda as pessoas a gerenciarem eficientemente suas finanças pessoais, permitindo que atendam às suas necessidades básicas e ainda poupem para viagens, passeios, festas e mais.

Ela também permite o estabelecimento de metas financeiras realistas e a criação de orçamentos que ajudam a controlar os gastos e a identificar áreas em que é possível economizar.

Ao praticar a economia doméstica, as famílias podem se preparar melhor para enfrentar imprevistos financeiros, como desemprego, doenças ou emergências, sem comprometer gravemente seu orçamento.

Em outras palavras, refere-se à gestão e organização das finanças e despesas em um lar. Envolve o planejamento e a alocação de recursos financeiros para atender às necessidades básicas de uma família, como alimentação, moradia, saúde, educação, além de trazer o equilíbrio para os gastos supérfluos.

Muito além do orçamento da casa, a economia doméstica se dedica a compreender o estilo de vida das famílias, buscando soluções financeiras que garantam qualidade de vida e estabilidade.

Portanto, é fundamental para quem deseja desfrutar de uma vida com mais qualidade, valorizando aquilo que realmente tem importância ao invés de ficar preso em meio a boletos e telefonemas de cobrança.

Como a economia doméstica contribui a contornar a inflação?

A inflação pode causar estragos nas suas finanças, mas com um bom planejamento e economia, você pode assumir o controle. A elaboração de um orçamento permite planejar as despesas, definir prioridades e identificar áreas onde é possível economizar, como por exemplo, com o carro.

A poupança é outro instrumento crucial para proteger as suas finanças contra a inflação, mas não é o único.

O investimento em ativos é uma estratégia comprovada para combater a inflação e garantir a prosperidade financeira a longo prazo. Colocando o seu dinheiro para trabalhar para si, os seus ativos podem valorizar ao longo do tempo, preservando o seu poder de compra e aumentando a sua riqueza.

Combater os efeitos da inflação e gerir as despesas domésticas pode ser um desafio, mas comparar estrategicamente os melhores preços pode ajudá-lo a manter-se um passo à frente.

Evite produtos de “grife”, uma vez que nem sempre representam um produto de qualidade superior, mas apenas status. Busque soluções de lazer mais económicas, é possível se divertir sem gastar muito. Reserve para ir em locais mais caros em ocasiões especiais.

A inflação é um fenômeno econômico complexo e enquanto a economia doméstica pode ajudar a mitigar alguns de seus efeitos; porém, políticas econômicas mais amplas também são necessárias para controlar a inflação em nível nacional.

Como organizar as contas de casa?

Para fazer uma economia doméstica, não basta sair cortando gastos, é preciso seguir algumas etapas para que a economia se torne algo permanente, ou seja, que passe a fazer parte da sua rotina. 

  1. Identificação: O primeiro passo para fazer uma economia doméstica é identificar todas as fontes de renda da sua família. Depois disso, é preciso listar as despesas fixas, variáveis e supérfluas. Com essas listas em mãos, é possível identificar para onde exatamente está indo o dinheiro da sua família. 
  2. Planejamento: O próximo passo, é o planejamento de cortes de gastos. É importante ser realista nesta etapa. Afinal, não adianta nada cortar, por exemplo, todos os gastos supérfluos e depois de dois meses não conseguir seguir mais o planejamento. Além de planejar os cortes, você também deve criar planos para o dinheiro poupado. Sendo assim, você pode estabelecer metas, como uma viagem ou investir. 
  3. Controle: Encontre um método de controle que funcione com você, como por exemplo, planilhas, tabelas ou listas feitas à mão. O importante é ter um controle dos gastos diários para garantir que a economia doméstica está sendo posta em prática. 
  4. Dívidas: Caso você tenha dívidas, é importante se programar para quitar todas. Afinal de contas, os juros e as taxas pagas nas dívidas vão contra a sua economia familiar. 
  5. Reserva de emergência: Antes de estabelecer planos de viajar ou investir, é importante que você crie uma reserva de emergência. Em resumo, a reserva de emergência serve como uma ajuda para os imprevistos que podem surgir, logo, ela não deve ser usada para outros fins. 
  6. Renda extra: Além de procurar economizar em casa, é interessante também encontrar formas de aumentar sua renda, como por exemplo, vendendo itens que você não usa mais. 

21 dicas para a economia doméstica

Depois da fase inicial de organização, está na hora de adquirir novos hábitos que irão fazer parte da sua economia doméstica, principalmente nos quesitos energia, água e alimentação:

  1. Chuveiro: Não deixe seu chuveiro no modo mais quente, prefira a temperatura média. O chuveiro é um dos maiores gastadores de energia em uma residência. 
  2. Eletrodomésticos: Quando você não estiver usando os eletrodomésticos, é melhor desligar eles da tomada. Afinal, a luz que indica que ele está ligado, também consome energia. 
  3. Luz solar: Deixe as cortinas abertas e aproveite a luz solar, assim você evita usar as luzes artificiais que consomem energia. 
  4. Painéis solares: Os painéis solares são uma ótima maneira de fazer economia doméstica. Isso porque suas células fotoelétricas carregam na luz do sol e, posteriormente, aquecem a água para o banho. 
  5. Classificação A: Ao comprar eletrodomésticos, dê preferência para os itens com classificação A de gasto de energia, pois eles são mais econômicos. 
  6. Apague a luz: Ao sair de um ambiente, não se esqueça de apagar a luz. Pode parecer um pequeno gesto, uma pequena economia, mas no todo, fazem a diferença.  
  7. Lâmpadas: Dê preferência para as lâmpadas de LED. Desse modo, você consegue reduzir bastante o gasto com energia elétrica.
  8. Alimentos quentes: Não coloque alimentos quentes dentro da geladeira, ela terá que trabalhar mais para manter a temperatura interna gelada, o que, consequentemente, gasta mais energia. 
  9. Horário de pico: Procure não usar a energia no horário de pico, entre às 18h e 22h, pois neste horário a energia custa mais caro. 
  10. Ar condicionado: Lembre-se sempre de manter o filtro do ar condicionado limpo, assim você evita que o aparelho fique sobrecarregado e gaste ainda mais. 
  11. Reaproveite: Se você tem uma máquina de lavar roupa, já deve ter percebido que ela consome bastante água. Portanto, é importante reaproveitar esta água para outros fins, como lavar o quintal ou o carro. É claro que você também pode usar a água da chuva para estes mesmos fins. 
  12. Feche a torneira: Sempre que você não estiver utilizando a água, deixe a torneira fechada. Sendo assim, ao escovar os dentes ou ensaboar as louças, deixe sempre a torneira fechada. 
  13. Vazamentos: Caso alguma torneira da sua casa esteja com vazamento, procure arrumá-la. Afinal, aquele pinga-pinga é seu dinheiro escorrendo pelo ralo.  A água é um recurso natural fundamental para a manutenção da vida. No entanto, o seu mau uso e desperdício podem trazer sérias consequências para o meio ambiente.
  14. Descarga econômica: Existem algumas descargas com opções de quantidades de água que representam uma boa economia familiar. 
  15. Jardim: Procure usar baldes ou regador ao molhar suas plantas, eles gastam menos do que as mangueiras.
  16. Banho: Não fique muito tempo no chuveiro e quando estiver se ensaboando, também é importante deixar o chuveiro desligado. Dessa forma, você economiza água e energia. 
  17. Roupa suja: Espere juntar roupas antes de lavar, desse modo, você utiliza menos vezes a máquina. Logo, temos economia de água e energia. 
  18. Cozinhe em casa: Cozinhar em casa é uma ótima forma de economia doméstica, já que comer em restaurantes todos os dias pode representar um enorme gasto no final do mês. 
  19. Hortas comunitárias: As hortas comunitárias também podem te ajudar na economia doméstica. Dessa maneira, contribuindo com a manutenção da horta, você poderá consumir daquelas verduras e economizar nas compras do supermercado. Também vale ter uma horta própria. 
  20. Supermercado: Primeiramente, faça uma lista somente dos itens que você precisa comprar no supermercado. Além disso, quando for fazer as compras, faça um lanchinho antes, desse modo, fica mais fácil resistir ao impulso de comprar besteiras. Por fim, vale levar apenas o dinheiro que será gasto e deixar os cartões em casa, assim você realmente gasta só com o necessário. 
  21. Reaproveite: Você pode reaproveitar a água do cozimento de legumes ou algumas cascas em outras preparações. Por exemplo, é possível usar a água do cozimento de verduras para preparar sopas. 

Fontes: Nubank, Meu Tudo, Conteúdos, Riconnect, BV