Vender ações do Itaú – Histórico da empresa, operações e chegada do Pix

17 de setembro de 2020 - por Jaíne Jehniffer


Vender as ações do Itaú virou uma dúvida entre os investidores devido as novas mudanças que estão por vim no setor dos bancos. Dessa maneira, com as mudanças, as instituições financeiras que não se adequarem e mudarem sua forma de fazer negócio podem acabar sofrendo muito.

As duas principais mudanças são o open banking e o pix. Contudo, antes de vender as ações do Itaú, saiba que o banco vem se modernizando para se adaptar ao novo cenário. Novos produtos e soluções estão sendo incorporados pelo Itaú desde 2008, como uma forma de se preparar para o momento atual.

Enfim, apesar desse texto falar sobre vender ações do Itaú ele não se constitui como uma uma recomendação de venda. Portanto, antes de vender uma ação, é importante analisar bem a empresa, afinal, seria frustrante vender as ações do Itaú e depois elas se valorizarem.

História do banco Itaú

Antes de falarmos sobre a possibilidade de vender ações do Itaú, é importante falarmos sobre a sua história. O Banco Itaú foi criado, em 1943, por Alfredo Egydio de Souza Aranha e Aloysio Ramalho Foz.

Inicialmente, a instituição financeira se chamava Banco Central de Crédito e, posteriormente, passou a ser chamado pelo nome que conhecemos hoje, Itaú.

Décadas depois, em 2008, houve a fusão com o Unibanco. Então, seu nome passou a ser Itaú Unibanco, apesar de popularmente ainda ser chamado só de Itaú.

O Unibanco, por outro lado, surgiu, em 1924, através de João Moreira Salles e se chamava Casa Moreira Salles. A princípio, o estabelecimento vendia produtos diversos, desde louças até sapatos. Somente algum tempo depois é que ele passou a ser um banco. 

Uma curiosidade é que, apesar de ser uma empresa de capital aberto e suas ações estarem a venda na bolsa de valores, os descendentes dos fundadores são os principais acionistas ainda hoje. 

Atualmente o Itaú está presente em 21 países, além das 5 mil agências espalhadas pelo Brasil e exterior.

Desse modo, o banco atende mais de 55 milhões de clientes e conta com mais de 60 mil colaboradores. Como resultado, a empresa possui um patrimônio líquido de 126.416.000.000. Já os ativos totais estão em 1,8 trilhão.

Antes de pensar em vender ações do Itaú, vamos analisar um pouco mais a empresa. Em 2019, por exemplo, o Itaú apresentou os seguintes resultados:

  • Lucro: R$ 19.921.900.000;
  • Receita:R$ 1.212.170.000;
  • ROE: 15,8%;
  • Dividend Yield: 5,5%.

Itaúsa (ITSA3 e ITSA4)

A Itaúsa é uma holding, ou seja, ela é uma empresa cujo objetivo social é adquirir participação social e controle acionário em outras empresas. Portanto, a Itaúsa é a controladora do Itaú, mas não somente dele.

A estrutura geral (empresas) da Itaúsa é:

  • Itaú Unibanco (ITUB3 e ITUB4) – maior banco privado do Brasil;
  • NTS (empresa de transporte de gás);
  • Duratex (DTEX3) – empresa de materiais básicos, porcelanato e revestimentos cerâmicos;
  • Alpargatas (ALPA3 e ALPA4) – empresa de calçados dona da Havaianas, Mizuno, Topper, Oklen dentre outras).

Números de 2019:

  • Lucro: R$ 7.001.000.000;
  • Receita: R$ 5.002.000.000;
  • ROE: 13,2%;
  • Dividend Yield: 5,1%.

Por que a dúvida sobre vender ações do Itaú

Algumas mudanças estão para acontecer no setor dos bancos, dessa maneira, as empresas que não se adequarem podem ter grandes prejuízos e as dúvidas sobre vender as ações do Itaú se encaixa nesse cenário.

Dentre as principais mudanças no mundo das finanças, temos:

1- Open Banking

Em pouco tempo o open banking será implantado e os bancos terão que rever a sua forma tradicional de atuação.

Isso porque, antes os dados dos clientes eram tratados como pertencentes aos bancos. Contudo, com a lógica do open banking, os clientes se tornam os verdadeiros donos dos seus dados.

Portanto, como donos dos próprios dados, os clientes podem optar por compartilhar eles com outros bancos. Esse compartilhamento serve, principalmente, para que o cliente possa adquirir melhores produtos e serviços. Todo esse compartilhamento é através das APIs.

Enfim, um efeito colateral da lógica do open banking é que, com o histórico do cliente, um banco pode oferecer melhores serviços de maneira personalizada, visando atender melhor o cliente.

Portanto, se, por exemplo, o Itaú pode ver o histórico de serviços prestados pelo Bradesco para determinado cliente, ele tentará oferecer um serviço melhor para conseguir o cliente. Ou seja, a competitividade no mercado vai aumentar consideravelmente.

Além disso, o atendimento ao cliente ganja novo peso. Afinal, atualmente, os bancos estão, no geral, habituados a não tratar bem os clientes.

Mas com o open banking, a principal preocupação vai ser lutar por cada cliente, ou seja, a experiência do cliente passa a ser a principal preocupação.

Portanto, com o open banking, alguns dados importantes, que antes eram sigilosos serão, compartilhados, como, por exemplo: 

  • Histórico de pagamentos;
  • Perfil de investimentos;
  • Perfil de consumo.

2- Pix

Além do Open Banking temos a plataforma de pagamentos do Banco Central vindo aí, o que vai democratizar o acesso a meios de pagamentos mais baratos e eficientes.

Portanto, a partir de novembro de 2020 entra em uso o Pix que, dentre outras coisas, possibilita, por exemplo:

  • Realizar transferências com taxas menores;
  • Transferências mais rápidas;
  • Pagamentos mais acessíveis por meio de QR Code.

Atualmente ,já temos bancos sem tarifas de manutenção de conta e tarifa para TED e DOC, mas, com o Pix, isso será ainda mais fácil.

Em resumo, todas as instituições com mais de 500 mil clientes (ou seja, o Itaú entra nessa categoria) terão que se adequar ao Pix e, além disso, a partir do dia 05 de outubro, as instituições devem começar a cadastrar as chaves de acesso para seus usuários.

Vender ações do Itaú x Mudanças no Itaú

Com base nessas duas mudanças, o open banking e o Pix, o modelo de negócio antigo dos bancos está diretamente comprometido. Contudo, o Itaú está se preparando para as mudanças desde 2008. 

Dessa maneira, uma das soluções que o Itaú encontrou para se atualizar foi através do lançamento do aplicativo Abre Conta e do Iti.

De forma geral, o aplicativo Abre Conta permite que se abra uma conta de maneira digital, utilizando apenas o aplicativo de celular, assim como os bancos 100% digitais fazem.

Por outro lado, o Iti é uma plataforma multiuso que permite clientes e não clientes fazerem pagamentos, compras e transferências de maneira instantânea por meio do sistema Peer to peer e QR Code.

A plataforma conta ainda com outras funcionalidades como, por exemplo: carteira virtual, saque digital e recarga de celular.

Além disso, o Itáu vem se diversificado e investindo na visão de investimento com suas empresas, através do Itaú Personalité e XP corretora. Ou seja, questões que colocam em alta a dúvida sobre vender ações do Itaú.

Vender ações do Itaú – Investimentos

Apesar do Open Banking e o Pix mudarem muito atuação dos grandes bancos de maneira geral, as grandes instituições financeiras investem muito em tecnologia e, certamente, estão passando por um processo de adequação enorme.

Em resumo, a longo prazo, o Itaú como maior banco privado do Brasil será um dos protagonistas dessa revolução digital.

Enfim, agora que você conhece sobre o Itaú resta a dúvida: vender ações do Itaú, esse é o momento? Portanto, para saber a resposta, veja o vídeo de Raul Sena:

E aí, gostou de conhecer sobre o banco Itaú e refletir sobre se é o momento de vender ações do Itaú? Então saiba também Recessão, o que é? Definição, causas e conceito de recessão técnica

Fontes: Estadão e Folha

O que acontece se não declarar o Imposto de Renda? Testei na PRÁTICA!

Fazer faculdade no Brasil vale a pena? A realidade é difícil de engolir

Ibovespa caindo! – Onde estou investindo para proteger o meu dinheiro?

A enorme BOMBA que pode enterrar de vez o Brasil