Casa da Moeda do Brasil, o que é? História e ligação com o Banco Central


A Casa da Moeda do Brasil é uma empresa vinculada ao Ministério da Fazenda, responsável sobretudo pela produção de moeda e papel-moeda no Brasil. Algumas outras atividades secundárias da empresa são a fabricação de passaportes, medalhas e selos fiscais.

Apesar de ser o local onde se produz dinheiro, a Casa da Moeda do Brasil não toma as decisões referentes à quantidade de dinheiro que será produzida, já que essa função cabe ao Banco Central do Brasil (Bacen ou BC).

Para a definição da quantidade de moeda e papel-moeda que será produzida, o Bacen analisa o cenário econômico nacional, o quanto de dinheiro que precisa ser substituído e a política econômica adotada.

O que é a Casa da Moeda do Brasil?

A Casa da Moeda do Brasil (CMB) é a empresa pública responsável pela emissão monetária nacional. Ou seja, é a Casa da Moeda quem imprime todo o dinheiro que está em circulação no Brasil. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Sindicato dos moedeiros

Além de produzir papel-moeda e moeda metálica, a CMB é responsável também por imprimir selos fiscais, postais e federais, imprimir títulos de dívida pública e fabricar medalhas e moedas comemorativas. Por fim, ela realiza ainda a fabricação de passaportes, diplomas, certidões e outros tipos de documentos que necessitem de um sistema de segurança semelhante. 

Apesar da CMB fazer a emissão do papel-moeda, o órgão responsável pelo controle e distribuição de dinheiro é o Banco Central do Brasil. Desse modo, o Bacen faz a solicitação e a CMB realiza a impressão de cédulas e cunhagem de moedas. 

Breve história da CMB

A Casa da Moeda do Brasil foi fundada no dia 8 de março de 1694, em Salvador. Posteriormente, em 1699 ela foi transferida para o Rio de Janeiro. Sendo que a CMB é considerada como uma das instituições mais antigas do Brasil. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Casa da Moeda do Brasil, o que é? História e ligação com o Banco Central

Exame

Antes da CMB ser criada, as moedas em circulação no país eram originárias de Portugal e de outros países estrangeiros. Dessa maneira, a Casa da Moeda foi fundada para fazer a cunhagem de moedas brasileiras e substituir as demais moedas estrangeiras.

As primeiras moedas brasileiras nasceram em 1695. Elas eram conhecidas como série de patacas e consistiam em 1.000, 2.000 e 4.000 réis em ouro, e 20, 40, 80, 160, 320 e 640 réis em prata.

CMB atualmente

Quando a CMB foi fundada, o Brasil ainda era colônia. Porém, conforme a economia brasileira cresceu, a demanda por dinheiro em circulação também aumentou.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Sendo assim, a CMB foi se desenvolvendo e hoje é um dos maiores complexos industriais do mundo. Basicamente, o complexo instalado no bairro de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, possui mais de 120 mil metros quadrados.

Casa da Moeda do Brasil, o que é? História e ligação com o Banco Central

Veja

O complexo é composto por três fábricas e é totalmente equipado com os mecanismos e impressoras necessárias para a confecção de dinheiro. Em síntese, a CMB possui capacidade para produzir cerca de 3 bilhões de cédulas, 4 bilhões de moedas, 3 milhões de passaportes e 8 bilhões de selos fiscais por ano. 

A função do Banco Central do Brasil

A Casa da Moeda do Brasil é a única instituição autorizada a fazer a emissão de moeda e papel-moeda. No entanto, ela não pode decidir de maneira autônoma o quanto de dinheiro será produzido.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A função de controlar o quanto de dinheiro entra ou sai de circulação é do Banco Central. Portanto, a CMB é apenas um instrumento de produção para que o Bacen faça o gerenciamento do dinheiro em circulação no Brasil. 

Causa operária

O Bacen faz a análise da necessidade de substituição de moedas e cédulas danificadas e define o quanto de papel-moeda e moedas devem ser produzidas pela CMB. Nessa análise é levada em consideração também a política econômica adotada pelo Ministério da Fazenda. 

Quando imprimir mais dinheiro

Por vezes, as pessoas acreditam que, quando a economia de um país está ruim, basta imprimir mais dinheiro. A teoria é que, com mais dinheiro em circulação, teria como investir em educação, saúde e geração de emprego. Contudo, não é assim que as coisas funcionam. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O correto é que a impressão de dinheiro seja correspondente ao crescimento orgânico e gradual da economia. Em resumo, quando a economia de um país se desenvolve, os investimentos e a produção crescem, o que resulta no aumento de riquezas e, consequentemente, na quantidade de dinheiro em circulação. 

Veja

Por outro lado, se ocorrer a emissão de dinheiro sem o país ter gerado riqueza, as pessoas podem até ter mais dinheiro em mãos, mas a produção não teria crescido. Ou seja, o país não não gerou riqueza e, então, seria um crescimento artificial do dinheiro em circulação.

O resultado seria a escassez de produtos, o aumento dos preços e a desvalorização do real. Com a desvalorização seria preciso imprimir mais dinheiro, o que no fim das contas ia resultar na hiperinflação.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A produção descontrolada de dinheiro faz com que a economia fique instável e que o Real perca a credibilidade, já que as pessoas não iriam mais confiar no seu valor. É por isso que antes do Banco Central solicitar a emissão de mais dinheiro, ele faz uma profunda análise da economia nacional.

E aí, curtiu aprender sobre a CMB Então aproveite para descobrir Como o dinheiro é feito? Processo, moedas e como identificar nota falsa.

Fontes: C. da M., Nubank e Empreender D.

Imagens: Exame, Veja, Sindicato dos moedeiros, Causa operária, Veja e Uol

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE


Conte-nos a sua opinião...