Tokenização: o que é, como funciona e vantagens

11 de outubro de 2021 - por Jaíne Jehniffer


A tokenização é um processo por meio do qual, os tokens digitais são usados para representar um ativo. Ou seja, por meio dela, os ativos reais são fragmentados em frações digitais.

Os tokens podem representar ativos tangíveis como os metais preciosos e imóveis. Mas também pode representar os ativos intangíveis como marcas e ainda os instrumentos financeiros como ações e títulos.

Sendo que ela oferece segurança, acessibilidade e transparência nas transações. Logo, ela é muito útil para alguns tipos de empresas.

O que é tokenização?

A tokenização é a fragmentação de um ativo real em frações digitais, que podem ser negociados de forma fácil. Os ativos, por sua vez, são tudo o que tem valor e podem ser negociados e transformados em dinheiro.

Os ativos podem ser categorizados. Por exemplo, temos os ativos pessoais, os bens de uma pessoa ou família. Já os ativos comerciais ajudam uma empresa a se desenvolver. Boa parte dos ativos podem ser tokenizados, o que faz com que a sua negociação seja mais fácil.

Um ativo tokenizado é um ativo representado digitalmente em formato de tokens. Já os tokens são representações digitais de partes de ativos. Eles podem representar ativos tangíveis ou intangíveis. Alguns exemplos de ativos tangíveis são os carros e imóveis. Entre os intangíveis, temos as marcas e patentes, por exemplo.

Exemplo

Para ficar mais fácil de entender a tokenização, vamos usar um exemplo. Vamos supor que um imóvel avaliado em R$ 1 milhão é fragmentado em 10 mil tokens. Você então opta por comprar um desses tokens, que valem R$ 100 cada. Vamos imaginar que depois de alguns anos, a venda do imóvel seja feita por R$ 3 milhões. Neste caso, o seu token valeria R$ 300.

Tokenização

Os tokens são vantajosos para os emissores e investidores. Para os emissores, eles ajudam a aumentar a liquidez dos ativos. Já para os investidores, eles permitem o acesso a ativos de alta performance. Sendo que o risco é menor. Por fim, ela pode ser muito útil ainda nas participações de empresas.

Por meio de tokens, as regras de governança ficam mais naturais. Sendo assim, os acordos dos acionistas são executados automaticamente e o voto de cada sócio é computado de forma fácil. Existe ainda a vantagem de que a organização do quadro societário é simples e barata.

Como funciona o processo de tokenização?

O processo de tokenização é necessário para que um ativo possa ser representado digitalmente e negociado em formato de tokens. Isso ocorre em 4 etapas:

1- Estruturação do token

Nessa etapa é feita a avaliação do ativo. A intenção é verificar a existência do ativo que o emissor quer tokenizar. É preciso analisar também se ele se encaixa nos requisitos da tokenizadora. Nessa 1º etapa o contrato jurídico também é criado e nele estão os direitos do dono do token.

2- Emissão de tokens

A criação dos smart contracts, isto é, contratos inteligentes na blockchain, ocorre na 2º etapa. Os smarts contracts são códigos de programação que incorporam cláusulas contratuais pré-programadas na blockchain.

Eles garantem a validação e cumprimento das regras. Por outro lado, a blockchain é um sistema que possibilita a segurança dos smart contracts. Isso porque ela funciona como um livro contábil onde as transações ficam registradas.

Os dados sobre as transações de tokens ficam gravadas em blocos e não podem ser alterados, já que os novos blocos são interligados com os anteriores. Sendo que a descentralização da blockchain ajuda na sua segurança. Enfim, a tokenizadora configura o token, que passa a existir na blockchain da rede Ethereum.

Tokenização

3- Listagem e distribuição

Depois de prontos, os tokens são ofertados publicamente na plataforma. Os investidores podem comprar a quantidade de tokens que desejam. Ao comprar o token, o investidor recebe direito ao ativo que o token representa.

4- Governança

A 4º etapa está relacionada com o controle que os investidores têm dos tokens. Depois que os investidores compram tokens, eles passam a ter o direito ao retorno dos investimentos. Os investidores podem ainda entrar em contato com os emissores para tirar dúvidas e acompanhar o projeto que o token faz parte.

Vantagens da tokenização

Para os detentores dos ativos, a tokenização é vantajosa, pois aumenta a liquidez. Isso é vantajoso sobretudo para ativos de alto valor. Isso porque, a conversão rápida e justa em dinheiro pode ser difícil.

Por outro lado, para o investidor a vantagem é o acesso a ativos de alta performance. Esses ativos, de maneira geral, estão restritos às instituições financeiras e grandes investidores. Porém, com a tokenização, os investidores podem ter acesso a alguns deles. Enfim, as vantagens são:

  • Controle: A blockchain permite o controle de quem são os donos dos tokens no momento. 
  • Divisível: Não existe um número mínimo para a emissão de tokens. Logo, é possível fazer a emissão de um grande volume de tokens por um baixo valor médio e aumentar o acesso dos investidores.
  • Custos: A blockchain substitui vários intermediários. Isso reduz o custo final da operação e aumenta o retorno para os investidores.
  • Transparente: A blockchain serve como um local seguro para o registro dos dados.
  • Flexibilidade: É fácil programar novas regras para os tokens. Assim, a sua emissão pode ser feita com qualquer combinação de direitos e responsabilidades em uma operação.

Tokenização nas empresas

A tokenização pode ser útil em vários tipos de negócios, como as transações financeiras, por exemplo. Neste caso, uma empresa pode resguardar o nome do titular e número da conta bancária, por exemplo, por meio da tokenização.

É preciso ter permissão de acesso à chave de segurança do processo, já que os tokens são gerados de forma aleatória e exclusiva. Ou seja, só pode ter acesso aos dados quem for autorizado. Dessa forma, os dados ficam criptografados e seguros.

Apesar da tokenização ser útil em vários tipos de empresas, ela é vantajosa sobretudo para negócios que envolvem transações financeiras. Alguns exemplos são: adquirentes, processadoras, emissoras de cartões, bancos e bandeiras. Essas empresas devem seguir um padrão de segurança de dados. Dessa forma, a certificação PCI – Payment Card Industry indica esse padrão.

A tokenização é benéfica, já que ela é uma forma segura de realizar as transações. A PCI também aponta que as empresas que lidam com dados de cartões e indústrias de cartões de crédito usem criptografia. Essa criptografia é necessária na transmissão de dados dos titulares. Sendo que a tokenização é uma boa solução.

Por fim, essas empresas também precisam mascarar os dados do cartão. Isso é preciso para que os dados dos clientes não vazem. Como a tokenização usa a substituição de dados, ela torna esses dados sigilosos. Ou seja, ela protege as informações ao tornar os dados sigilosos.

E aí, gostou de aprender sobre a tokenização? Então aprenda ainda o que são Derivados financeiros: o que são e para que servem?

10 livros essenciais para entender sobre economia comportamental

10 dicas de como melhorar a sua relação com o dinheiro

Mitos e verdades sobre empreendedorismo que devemos conhecer

8 dicas do que fazer com a restituição do IR