Quais as diferenças entre financiamento e empréstimo?

As diferenças entre financiamento e empréstimo variam conforme o uso que se faz do crédito fornecido. Saiba quais são elas.

18 de dezembro de 2023 - por Sidemar Castro


Você sabe a diferença entre empréstimo e financiamento?

Empréstimo é um crédito que pode ser usado para qualquer finalidade e é pago em curto ou médio prazo, enquanto financiamento é um crédito destinado a uma finalidade específica, como a compra de um imóvel ou veículo, e pode ser pago a longo prazo.

Quais são as diferenças entre financiamento e empréstimo?

Aqui estão as principais diferenças entre financiamento e empréstimo:

Finalidade

As diferenças entre financiamento e empréstimo em relação à finalidade do dinheiro são:

  • Empréstimo: O dinheiro pode ser usado conforme a vontade do cliente.
  • Financiamento: O dinheiro é utilizado para a compra de um bem específico, e o bem financiado serve como garantia do empréstimo.

No caso do financiamento, é necessário que a finalidade para a qual o dinheiro será utilizado esteja definida em contrato, enquanto no empréstimo o cliente tem mais liberdade para usar o dinheiro como quiser.

O financiamento é mais comum em casos de aquisição de bens de alto valor, como imóveis e veículos, enquanto o empréstimo é mais utilizado para outras finalidades, como pagamento de dívidas ou investimentos.

Taxas de juros

As taxas de juros entre as duas modalidades de crédito podem ser diferentes. Geralmente, os financiamentos têm taxas de juros mais baixas devido à garantia do financiamento. As taxas são um fator importante a ser considerado ao escolher entre financiamento e empréstimo. As diferenças são as seguintes:

  • Empréstimo: As taxas de juros podem ser mais altas, pois o banco não tem garantia de como o dinheiro será utilizado e, portanto, o risco de inadimplência é maior.
  • Financiamento: As taxas de juros costumam ser mais baixas, pois o banco conhece exatamente para o que o dinheiro será utilizado e, portanto, o risco de inadimplência é menor.

No caso do financiamento, o bem adquirido serve como garantia do empréstimo, o que reduz o risco para o banco e, consequentemente, as taxas de juros. Já no empréstimo, as taxas podem ser mais altas devido ao maior risco de inadimplência.

É importante pesquisar as taxas oferecidas por diferentes instituições financeiras antes de escolher entre empréstimo e financiamento.

Burocracia

O financiamento é mais burocrático, pois você precisa comprovar como vai gastar o dinheiro. No empréstimo, o dinheiro é entregue diretamente para quem pediu o crédito. As diferenças entre financiamento e empréstimo em relação à burocracia são:

  • Empréstimo: O processo de liberação pode ser mais rápido, pois não é necessário comprovar o uso do dinheiro. No caso do empréstimo pessoal, caso tenha um limite pré-aprovado, o crédito pode ser solicitado facilmente, até mesmo pelo internet banking, e o cliente tem acesso direto ao dinheiro.

Algumas modalidades de empréstimo, como o cheque especial, o rotativo do cartão de crédito e o empréstimo pessoal, podem ser disponibilizadas rapidamente para retirada. No entanto, empréstimos com garantia ou fiador podem exigir mais burocracia.

  • Financiamento: O processo de liberação pode ser mais burocrático, pois o crédito tem um destino certo e a instituição deve analisar se a documentação do bem a ser adquirido está adequada.

Para garantir que o financiamento seja usado para a finalidade informada, o banco pode exigir documentos, garantias e até mesmo um fiador. Além disso, o dinheiro do financiamento é enviado diretamente para o vendedor do bem pretendido pelo cliente do banco, o que pode aumentar a burocracia.

Prazos de pagamento

Os prazos de pagamento também são diferentes. Empréstimos geralmente têm prazos de curto e médio prazo, enquanto os financiamentos podem ser pagos em até 30 anos. Os prazos de pagamento são uma das principais diferenças entre empréstimos e financiamentos:

  • Empréstimo: Geralmente, os empréstimos têm prazos de curto e médio prazo. Isso significa que o dinheiro emprestado deve ser devolvido ao credor dentro de um período de tempo relativamente curto, que pode variar de alguns meses a alguns anos, dependendo dos termos do empréstimo.
  • Financiamento: Os financiamentos, por outro lado, podem ser pagos em longo prazo. Isso é especialmente verdadeiro para financiamentos de grandes compras, como imóveis ou veículos, onde o prazo de pagamento pode se estender por muitos anos, até 30 anos em alguns casos.

Essa diferença nos prazos de pagamento é importante porque pode afetar a quantidade de juros que você acaba pagando ao longo do tempo. Em geral, quanto mais longo o prazo de pagamento, mais juros você pagará.

No entanto, um prazo de pagamento mais longo também pode tornar as parcelas mensais mais acessíveis, pois o custo é distribuído ao longo de um período de tempo mais longo. Portanto, ao escolher entre um empréstimo e um financiamento, é importante considerar não apenas a quantidade de dinheiro de que você precisa, mas também o prazo de pagamento que melhor se adapta à sua situação financeira.

Financiamentos de veículos

É um tipo de financiamento que permite a compra de veículos, como automóveis, motocicletas e caminhões, facilitando o acesso a esses bens para os consumidores. Esse tipo de financiamento pode ser oferecido por bancos e instituições financeiras, e geralmente envolve uma série de condições e requisitos.

O financiamento de veículos funciona como um empréstimo de crédito do banco. Você paga o valor parcelado, mas o vendedor do carro recebe o dinheiro imediatamente. Como esse pagamento integral foi feito pela instituição financeira, você vai devolver o dinheiro a ela com juros e algumas taxas.

Os financiamentos são comuns no Brasil e as vendas de veículos financiados subiram 6,8% em 2021 em relação a 2020. Eles podem ser usados para comprar veículos novos, seminovos e usados.

Existem diferentes tipos de financiamento de veículos, como o Consórcio, que é baseado em um grupo de pessoas que têm o mesmo interesse. Todos pagam taxas mensais a uma empresa responsável pela administração desse dinheiro.

Financiamento imobiliário

É uma modalidade de crédito destinada à aquisição de imóveis, como casas e apartamentos. No Brasil, existem diferentes tipos de financiamento imobiliário, sendo os mais comuns o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

O SFH é regido por regras específicas e costuma oferecer condições mais vantajosas, como juros menores e a possibilidade de uso do FGTS. Já o SFI é destinado a imóveis de maior valor e não se enquadra nas regras do SFH. O financiamento imobiliário geralmente envolve a análise de crédito, comprovação de renda, entrada e pagamento em longo prazo, podendo chegar a 35 anos.

O imóvel financiado é utilizado como garantia do empréstimo. Este tipo de financiamento pode ser realizado por meio de instituições financeiras, como bancos, e envolve uma série de etapas, desde a solicitação do crédito até a contratação e pagamento.

Financiamento estudantil

O financiamento estudantil é um crédito destinado a custear a educação, incluindo mensalidades, materiais didáticos e despesas relacionadas aos estudos. Geralmente, é oferecido por instituições financeiras e pelo governo, permitindo que os estudantes paguem os custos da educação ao longo do tempo, muitas vezes após a conclusão do curso. Este tipo de financiamento pode oferecer condições especiais, como prazos de carência e taxas de juros diferenciadas, para facilitar o acesso à educação superior.

Um exemplo de programa de financiamento estudantil é o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), um programa do Ministério da Educação (MEC), que concede financiamento a estudantes em cursos superiores não gratuitos, com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo Ministério da Educação.

As condições de financiamento podem variar dependendo da instituição financeira e do tipo de estudo que você está planejando financiar.

Empréstimo pessoal

Um empréstimo pessoal é um produto financeiro oferecido por bancos e instituições financeiras que concede uma quantia em dinheiro ao solicitante, sem a necessidade de comprovar sua finalidade. Aqui estão alguns detalhes importantes:

  • Como funciona: Uma instituição financeira concede um determinado valor ao cliente, que por sua vez, devolve o dinheiro de forma parcelada com acréscimo de juros.
  • Análise de crédito: A instituição realiza uma análise de crédito para avaliar a capacidade de pagamento do solicitante.

Empréstimo consignado

O empréstimo consignado é uma modalidade de crédito na qual as parcelas de pagamento são descontadas diretamente da folha de pagamento do tomador do empréstimo. Em geral, ele é destinado a aposentados, pensionistas do INSS, servidores públicos e trabalhadores com carteira assinada.

Devido à garantia de pagamento, que é o desconto em folha, o empréstimo consignado costuma oferecer taxas de juros mais baixas em comparação a outras modalidades de empréstimo.

Além disso, os prazos de pagamento costumam ser mais longos, o que pode tornar as parcelas mais acessíveis. No entanto, é importante considerar que o valor das parcelas não pode comprometer mais do que 35% da renda do tomador do empréstimo.

Empréstimo com garantia

No empréstimo com garantia, o cliente oferece um bem como garantia de pagamento do empréstimo. Esse bem pode ser um imóvel, um veículo, investimentos ou até mesmo o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

As instituições financeiras costumam oferecer taxas de juros mais baixas e prazos mais longos para pagamento, tornando essa modalidade de empréstimo mais atrativa para quem busca condições mais favoráveis. Em caso de inadimplência, o bem dado como garantia pode ser utilizado para quitar a dívida.

Empréstimo FGTS

O empréstimo FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) permite que o trabalhador antecipe o valor do saque-aniversário do FGTS. Essa modalidade de empréstimo é oferecida por algumas instituições financeiras e bancos, e permite que o trabalhador receba o valor do saque-aniversário antes da data prevista, mediante o pagamento de juros e outras taxas.

Para solicitar o empréstimo FGTS, é necessário que o trabalhador tenha aderido ao saque-aniversário do FGTS e possua saldo disponível em sua conta do FGTS. O valor do empréstimo é limitado a um determinado percentual do saldo disponível na conta do FGTS, e o pagamento é feito em parcelas anuais, diretamente na conta do FGTS do trabalhador.

Esse tipo de empréstimo pode ser uma opção interessante para quem precisa de dinheiro rápido e não quer comprometer sua renda mensal, já que o pagamento é feito em parcelas anuais. No entanto, é importante considerar as taxas de juros e outras condições oferecidas pelas instituições financeiras antes de contratar o empréstimo FGTS.

Fontes: Serasa, Suno, BV, XPEducação, iDinheiro

10 livros essenciais para entender sobre economia comportamental

Propriedade privada: o que significa e quando surgiu o conceito?

Escola de Friburgo: escola que originou o ordoliberalismo

Microeconomia: o que é, como funciona e quais são os elementos?