Financiamento: o que é, como funciona e quais são os tipos?

Financiamento é quando uma instituição fornece recursos para a compra de um bem ou serviço, pago com juros em certo prazo. Leia e saiba mais.

9 de fevereiro de 2024 - por Sidemar Castro


Financiamento é um contrato de crédito entre uma instituição financeira e um indivíduo ou empresa. Nesse acordo, a instituição fornece um montante de dinheiro que será usado para a aquisição de um bem ou serviço, como um imóvel, veículo, ou educação.

O beneficiário então se compromete a devolver esse valor ao longo do tempo, com juros e taxas adicionais, em parcelas regulares. É uma ferramenta útil para permitir compras de alto valor que não seriam possíveis de pagar à vista.

Se quer saber mais sobre financiamento, o que é, como funciona e quais são os tipos, continue a leitura.

O que é e como funciona o financiamento?

O financiamento é um tipo de contrato de crédito que permite ao consumidor adquirir um bem ou serviço que não seria capaz de pagar à vista. Ele é estabelecido entre quem precisa do crédito para realizar um determinado objetivo (pessoas físicas ou empresas, por exemplo) e uma instituição financeira que pode emprestar dinheiro, como bancos ou fintechs.

O financiamento é voltado para fins específicos, como a compra de um imóvel, um veículo, ou até mesmo para custear uma reforma ou um curso. A pessoa vai quitando a dívida aos poucos, em prestações acrescidas de juros. E o bem financiado é a garantia do negócio.

Assim, se por acaso o cliente atrasar as parcelas ou cair na inadimplência, o produto poderá ser tomado pela instituição financeira e até ir a leilão.

No Brasil, os exemplos de financiamentos mais populares são o financiamento de imóvel e financiamento de veículo. No financiamento de veículos, por exemplo, uma instituição financeira concede crédito para clientes realizarem o sonho de adquirir um carro, uma moto ou outros tipos de veículos.

O valor da operação de crédito é repassado para a loja que vendeu o veículo. Isso faz com que o bem seja quitado com a loja e, depois, o empréstimo deve ser pago ao banco ou instituição financeira pelo cliente. O pagamento é parcelado.

Quais são os tipos de financiamento?

Imobiliário

O financiamento imobiliário é uma linha de crédito oferecida por instituições financeiras para a aquisição de um imóvel. Ele é voltado para fins específicos, como a compra de um imóvel residencial ou comercial, novo ou usado, ou até mesmo para custear uma reforma.

Geralmente, o financiamento cobre até 80% do valor total do imóvel. Ou seja, se um apartamento vale R$ 200 mil, é possível dar uma entrada de R$ 20 mil e financiar os outros R$ 180 mil.

O prazo de pagamento pode ser bastante longo, chegando a até 35 anos. Durante esse período, o comprador paga o valor do empréstimo em parcelas acrescidas de juros e correção monetária.

O imóvel financiado serve como garantia para o empréstimo. Isso significa que, se o comprador não conseguir pagar as parcelas do financiamento, a instituição financeira pode tomar o imóvel.

As taxas de juros para financiamentos imobiliários costumam ser mais baixas do que as de outras formas de crédito, como cartões de crédito ou empréstimos pessoais.

De veículos

O financiamento de veículos é uma modalidade de crédito que permite a aquisição de um veículo, seja ele novo ou usado, por meio de um contrato com uma instituição financeira.

Geralmente, o financiamento cobre uma porcentagem do valor total do veículo, que pode chegar a 100% em alguns casos. O prazo de pagamento pode variar, chegando a até 72 meses.

O veículo financiado serve como garantia para o empréstimo. Isso significa que, se o comprador não conseguir pagar as parcelas do financiamento, a instituição financeira pode tomar o veículo.

As taxas de juros para financiamentos de veículos podem variar dependendo da instituição financeira e do perfil do cliente.

Antes de contratar um financiamento de veículos, é importante fazer um planejamento financeiro cuidadoso e entender completamente os termos e condições do contrato.

Além disso, algumas instituições oferecem facilidades adicionais, como a possibilidade de adiar o pagamento das primeiras parcelas, financiamento com troco, e até mesmo a entrega do veículo na casa do cliente.

Estudantil

O financiamento estudantil é um tipo de empréstimo oferecido por instituições financeiras para ajudar os estudantes a pagar por sua educação.

Primeiro, o estudante deve estar matriculado e solicitar o crédito ao banco. O banco faz o pagamento das parcelas diretamente com a instituição de ensino. O estudante tem a obrigação de manter essas parcelas em dia após a formatura.

Outra opção pode ser o financiamento estudantil via governo, no Brasil, conhecido como Fundo de Financiamento Estudantil (FIES). Ele é uma iniciativa do Ministério da Educação destinada a estudantes de baixa renda, oferecendo taxas de juros acessíveis.

A inscrição para o processo seletivo deve ser realizada exclusivamente pela internet no Portal Único de Acesso ao Ensino Superior. É necessário ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir da edição de 2010; ter obtido média igual ou superior a 450 pontos e nota superior a zero na redação.

Ao final do curso, o financiado paga as prestações de acordo com o seu limite de renda, com juros zero.

Para construção/equipamentos

Existem diferentes tipos de financiamentos para construção e aquisição de equipamentos. Aqui estão alguns exemplos:

  • Financiamento de Material de Construção: Este tipo de financiamento é uma alternativa para aqueles que não podem pagar à vista pelos materiais necessários para construir ou reformar. As condições variam entre cada instituição, por isso é importante se atentar aos requisitos necessários.
  • BNDES Finame: O BNDES Finame é um financiamento para produção e aquisição de máquinas, equipamentos e bens de informática e automação, e bens industrializados a serem empregados no exercício da atividade econômica do cliente. Os bens devem ser novos, de fabricação nacional e credenciados pelo BNDES.
  • Financiamento Sicoob: O Sicoob (Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil) oferece financiamento para a aquisição de diversos bens (exceto veículos) com facilidade e segurança. Você pode financiar desde equipamentos de informática a serviços prestados por clínicas, consultórios, escolas, universidades e outros estabelecimentos.

Quando fazer um financiamento?

Decidir quando fazer um financiamento depende de vários fatores e é uma decisão muito pessoal. O financiamento é uma boa opção quando você precisa de um bem ou serviço que não pode pagar à vista, como um carro, uma casa, um curso universitário, ou até mesmo para construir ou reformar seu imóvel.

Você deve considerar suas condições financeiras atuais e futuras. É importante garantir que você será capaz de pagar as parcelas do financiamento ao longo do tempo. As taxas de juros são um fator importante a considerar. Se as taxas de juros estão baixas, pode ser um bom momento para fazer um financiamento.

Em suma, vale a pena fazer o financiamento quando as certezas do presente são maiores do que as incertezas futuras.

Antes de fazer um financiamento, entretanto, é fundamental compreender a situação do mercado e identificar as melhores oportunidades de negócio.

Cuidados que devem ser tomados ao fazer um financiamento

Planejamento Financeiro

Antes de contratar um financiamento, é importante fazer um planejamento financeiro cuidadoso para garantir que você será capaz de pagar as parcelas do financiamento ao longo do tempo.

O planejamento financeiro serve para organizar as finanças, visando a realização de objetivos de curto, médio e longo prazo. Esse planejamento consiste em determinar objetivos, estabelecer metas e tomar atitudes para transformar sonhos em realidade. 

Por outro lado, o planejamento financeiro para empresas contribui para o crescimento saudável de um negócio, já que ele serve como base para as tomadas de decisões na empresa. 

Conheça o CET (Custo Efetivo Total)

O CET (Custo Efetivo Total) é a soma de todas as despesas e encargos do financiamento. Ele inclui juros, tarifas, impostos, seguros e outras despesas que podem ser cobradas no financiamento.

Nesse sentido, ele serve para que o cliente saiba exatamente o quanto ele terá que pagar na operação.

Leia o Contrato com Atenção

Antes de assinar o contrato, leia-o com atenção e certifique-se de que entende todas as cláusulas. Se houver algo que você não entenda, peça esclarecimentos.

Verifique as condições financeiras do financiamento, incluindo taxas de juros, valor total a ser pago, valor das parcelas, prazo de pagamento e eventuais encargos adicionais. Também se os dados das partes estão corretos, assim como as condições gerais estão presentes como preço, forma de pagamento, prazo, formas de rescisão, carência e etc.

Nunca faça depósitos ou transferências antecipadas para obter um financiamento. As instituições financeiras legítimas não exigem pagamento antecipado para liberar o dinheiro do empréstimo.

Escolha uma Instituição Idônea

Opte por instituições financeiras confiáveis, têm uma boa reputação, são autorizadas pelo Banco Central e seguem as leis e regulamentos financeiros. Isso oferece uma camada de proteção ao consumidor e ajuda a garantir que o processo de financiamento seja justo e transparente.

Além disso, instituições idôneas geralmente oferecem melhores condições de financiamento e um atendimento ao cliente de qualidade. Portanto, antes de contratar um financiamento, é recomendável pesquisar sobre a instituição e verificar sua reputação no mercado.

Não Pague Valores Antecipadamente

Nunca faça depósitos ou transferências antecipadas para obter um financiamento. As instituições financeiras legítimas não exigem pagamento antecipado para liberar o dinheiro do empréstimo.

Se alguém pedir um pagamento antecipado, é um sinal claro de um possível golpe. Sempre desconfie e faça uma pesquisa completa antes de prosseguir.

Cuidado com a Venda Casada

A prática de obrigar o consumidor a adquirir outros produtos da instituição financeira para poder realizar o financiamento é conhecida como “venda casada” e é considerada abusiva e proibida pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC).

A venda casada ocorre quando uma instituição financeira condiciona a concessão de um produto ou serviço à aquisição de outro produto ou serviço. Por exemplo, um banco pode dizer que só aprovará um financiamento se o cliente também abrir uma conta corrente na mesma instituição.

Além de ilegal, a venda casada pode levar a custos adicionais para o consumidor. Por exemplo, a manutenção de uma conta corrente pode envolver taxas que o consumidor não estava preparado para pagar.

Esse tipo de venda pode limitar a capacidade do consumidor de escolher os produtos e serviços que melhor atendem às suas necessidades. 

Direito a Desconto na Antecipação de Parcelas

Quando o consumidor antecipa a parcela, total ou parcialmente, há redução proporcional dos juros e demais acréscimos.

Portanto, qualquer cobrança de taxa para antecipar parcelas é indevida e abusiva.

Possibilidade de Transferência do Financiamento

É possível transferir o financiamento para outra pessoa.

Entretanto, é necessário entrar em contato com a instituição financeira para verificar as condições para a transferência e a documentação necessária.

Proibição de Cobrança pela Emissão de Boleto Bancário

A cobrança pela emissão de boleto bancário é proibida. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC), essa é uma cobrança abusiva, pois a obrigação de pagar pelo boleto bancário é do fornecedor e não do consumidor.

Além disso, o Conselho Monetário Nacional aprovou em 2009 a Resolução 3.693 que veda os bancos de cobrarem dos clientes o ressarcimento de despesas com emissão de boletos de cobrança, carnês e semelhantes, relativos ao pagamento de parcelas de operação de crédito ou de arrendamento mercantil (leasing).

Alteração da Data de Vencimento

É possível alterar a data de vencimento do financiamento, mas a instituição não é obrigada a fazer a alteração e pode cobrar taxa para mudança da data de vencimento das parcelas.

Lembre-se, a segurança deve ser sempre a sua prioridade ao fazer um financiamento. Se algo parece suspeito, é melhor ser cauteloso e fazer uma pesquisa completa antes de prosseguir.

Fontes: Banco Pan, Cresol, eInvestidor, Rodobens, Tenda

10 livros essenciais para entender sobre economia comportamental

Propriedade privada: o que significa e quando surgiu o conceito?

Escola de Friburgo: escola que originou o ordoliberalismo

Microeconomia: o que é, como funciona e quais são os elementos?