Risco fiscal: o que é e como afeta os investimentos?


O risco fiscal é a possibilidade do Governo não conseguir cumprir o planejamento financeiro. Com isso, é possível que ele não consiga lidar com algumas obrigações fiscais, o que pode aumentar a dívida pública.

Isso ocorre, por exemplo, quando a receita não é suficiente para cobrir os gastos, resultando em um cenário de déficit público.

Se essa situação não for administrada de forma correta, ela pode causar uma grande crise financeira.

Na prática, o risco fiscal funciona como um tipo de indicador para os investidores. Isso porque, um país com risco fiscal elevado pode não ser um ambiente muito seguro para novos investimentos.

Sendo que o risco fiscal como indicador depende de vários fatores como, por exemplo, o aumento das despesas públicas e a baixa atratividade de novos recursos.

Como o risco fiscal afeta os investimentos?

O país com uma situação econômica incerta e sem perspectiva de crescimento, acaba perdendo credibilidade.

Isso pode fazer com que os investidores estrangeiros queiram garantias maiores para investir neste país.

Pode ocorrer ainda dos investidores retirarem os seus investimentos do país, por medo dos riscos. Com a fuga de capital estrangeiro, os investidores nacionais acabam sendo impactados, já que o Ibovespa cai.

Neste cenário, pode haver ainda o aumento da taxa Selic, o que também pode ter consequências negativas na bolsa.

Um dos ativos mais afetados pelo alto risco fiscal, são os títulos públicos. Isso porque, com a dificuldade do país em honrar as dívidas, os investidores se sentem menos seguros em aplicar em títulos públicos.

Afinal de contas, os títulos públicos funcionam como um tipo de empréstimo do dinheiro dos investidores para o governo. Se o governo está com dificuldade de honrar suas dívidas, o risco desse tipo de aplicação sobe.

O que levar em conta na hora de investir?

Algumas coisas que você deve levar em conta ao investir são:

1- Os ciclos da taxa básico de juros

A taxa básica de juros é um indicador muito relevante em relação ao risco fiscal e a economia como um todo do país.

Isso porque o aumento da taxa básica de juros faz com que o crédito fique mais caro. Isso dificulta o acesso ao crédito por parte da população em geral.

Em relação aos investimentos, os juros altos podem ser vantajosos para a renda fixa e desvantajosos para a renda variável. Portanto, ao investir é muito importante ficar atento aos ciclos da taxa básica de juros.

2- A situação econômica do país

Se você é investidor, é essencial que você esteja sempre por dentro do cenário econômico nacional.

Ao acompanhar a situação econômica, você consegue fazer projeções e possíveis adaptações na sua estratégia de investimentos.

Além disso, vale a pena ficar de olho na movimentação dos investidores estrangeiros. Isso porque, a saída de capital estrangeiro pode impactar a bolsa no curto prazo.

Inscreva-se na Pior Newsletter Possível!

Receba os melhores conteúdos (ou não) gratuitamente!

Usamos a Sendinblue como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para enviar este formulário, você reconhece que as informações fornecidas por você serão transferidas para a Sendinblue para processamento, de acordo com o termos de uso deles

Como proteger os investimentos do risco fiscal?

Algumas atitudes que você pode tomar para proteger os seus investimentos são:

1- Diversifique a sua carteira de investimentos

Uma das principais maneiras de reduzir os riscos de uma carteira, é por meio da diversificação de ativos do portfólio. Portanto, não deixe de investir em diferentes classes de ativos.

Por exemplo, se você investir apenas em um tipo de ativo e esse ativo se desvalorizar, a sua carteira toda será prejudicada.

No entanto, se a carteira for diversificada, apenas uma parte da carteira irá sofrer com a desvalorização.

2- Avalie o risco dos ativos que você irá investir

Por fim, antes de investir não deixe de analisar os riscos do investimento. Cada tipo de ativo conta com um nível de risco, logo, antes de investir é preciso levar em conta qual é este risco.

Por exemplo, se você for investir em títulos públicos, é essencial analisar o risco fiscal. Afinal de contas, com esse tipo de investimento você está emprestando dinheiro para o governo.

Sendo assim, se o risco fiscal for muito alto, significa que a aplicação em títulos públicos tem um risco considerável, apesar dos títulos públicos serem um dos ativos mais seguros do mercado.

Da mesma forma, ao investir em ativos de renda variável, é preciso levar em conta todos os riscos, inclusive o risco fiscal.

Isso porque, se o país tiver um risco fiscal muito alto, os investidores do exterior podem acabar tirando o seu capital do país, impactando a bolsa no curto prazo.

LEIA MAIS

Como avaliar os riscos de investimentos financeiros?

Análise de risco: entenda o que é, como funciona e quando usar

Risco operacional: o que é e quais são os tipos?

Capital de risco: o que é, como funciona e tipos

Saiba o que é risco de crédito e por que ele deve ser calculado

Entenda o risco de ruína e o risco de trajetória

Risco não-diversificável: questões que afetam o risco sistemático

Fontes: C6 bank, Tesouro transparente e, por fim, Renova invest.

Conte-nos a sua opinião...