15 lições de finanças e investimentos de “O Lobo de Wall Street”

Nesta matéria, listamos 15 lições de “O Lobo de Wall Street”, filme sobre finanças e investimentos baseado em fatos reais. Leia e assista.

29 de janeiro de 2024 - por Sidemar Castro


São muitas as lições de “O Lobo de Wall Street”, filme de 2013 de Martin Scorcese que conta a história de um executivo de Wall Street, baseado em fatos reais.

Jordan Belfort (Leonardo DiCaprio) é um ambicioso corretor da bolsa de valores que cria um verdadeiro império, enriquecendo de forma rápida, porém ilegal. Ele e seus amigos mergulham em um mundo de excessos, mas seus métodos ilícitos despertam a atenção da polícia.

Nessa matéria, listamos 15 lições de finanças e investimentos de “O Lobo de Wall Street”. Veja como elas são importantes e podem nos ensinar muito sobre economia. Leia e assista!

15 lições de finanças e investimentos de “O Lobo de Wall Street”

A sinopse do filme nos conta que Jordan Belfort (DiCaprio) se tornou um corretor de ações em Wall Street em 1987. Quando finalmente consegue ser contratado como corretor, acontece o Black Monday, que faz com que as bolsas de vários países caiam repentinamente.

A segunda-feira negra refere-se ao dia 19 de outubro de 1987, marcado pela queda de 22.61% do índice Dow Jones, que mede a variação média do preço das ações negociadas na New York Stock Exchange, em Wall Street, bem como de outros índices ao redor do mundo.

Sem opção no mercado de trabalho para corretores, Belfort acaba trabalhando para uma empresa de fundo de quintal que lida com papéis de baixo valor, que sequer estão na bolsa de valores.

Mas o seu estilo de venda agressivo lhe rende uma fortuna. Ele faz amizade com Donnie Azoff (Jonah Hill), um vendedor que mora no mesmo complexo de apartamentos que Belfort, e eles decidem abrir a sua própria empresa. A empresa, Stratton Oakmont, logo torna-se uma empresa de bilhões de dólares.

Sem dar mais spoilers, vamos às lições sobre finanças que o filme nos ensina.

1. A ética nos negócios

O filme “O Lobo de Wall Street” oferece várias lições sobre ética nos negócios, embora retrate uma história de desonestidade e excessos.

Apesar de Belfort, o protagonista, ter alcançado o sucesso, a falta de honestidade nos negócios levou à sua queda. Ele não era verdadeiro com seus clientes, o que resultou em sua prisão.

2. A importância do networking

No filme, o networking (rede de relacionamentos ou de contatos) desempenha um papel crucial. Um elemento que chama a atenção na ascensão de Belfort é a forma como ele uniu sua equipe e criou relações de lealdade.

Isso resultou em uma equipe unida e altamente capacitada para alcançar os resultados almejados por Belfort, mesmo que nem todos tivessem as habilidades necessárias para o trabalho inicialmente.

3. Seja persuasivo e aprenda a vender

Belfort era conhecido por sua habilidade de falar de maneira persuasiva e cativante. Ele usou uma técnica de vendas muito agressiva e eficaz para motivar sua equipe e crescer sua empresa.

Ele é retratado como alguém que, só com o dom da fala, consegue empurrar ações duvidosas a clientes como se estas fossem ouro. Belfort é cativante e extremamente convincente, mesmo sem entender totalmente sobre o mercado. Sabe falar, é persuasivo e cativante.

O filme mostra que a persuasão e a habilidade de vender são ferramentas poderosas no mundo dos negócios.

4. Tenha paixão e foco no que faz

Belfort tinha uma paixão indiscutível pela profissão e pela indústria em que trabalhava. Ele manteve um alto nível de energia e foco, mesmo diante de uma rotina diária massacrante e muitos problemas pessoais.

Retratado como alguém extremamente apaixonado pelo que faz, ele tem um cliente muito bem definido e, com isso, consegue focar nessas pessoas para conseguir vender. Sabia como manter o foco apenas em um público-alvo.

5. Contrate pessoas com potencial e forme um time

Belfort acreditava em contratar pessoas nas quais via potencial. Ele formou uma equipe forte que ajudou a impulsionar o sucesso de sua empresa.

Quando conheceu Donnie Azoff em um restaurante, logo percebeu sua ambição por dinheiro e sucesso. Isso mostra a importância de identificar o potencial nas pessoas e dar-lhes a oportunidade de crescer.

Além disso, conforme as pessoas eram contratadas, ele compartilhava com elas todas as suas técnicas e ensinamentos, tanto de mercado, como de persuasão e até mesmo um script. Isso destaca a importância de investir no desenvolvimento de habilidades da equipe.

6. Organize a entrada e saída de recursos

Ter um controle claro sobre o fluxo de dinheiro é crucial para a gestão financeira eficaz. No filme, Jordan Belfort é retratado como alguém que tinha um controle claro sobre o fluxo de dinheiro em sua empresa, a Stratton Oakmont. Ele sabia exatamente quanto dinheiro estava entrando e saindo, o que lhe permitia tomar decisões informadas sobre o crescimento e a expansão de sua empresa.

Embora Belfort eventualmente tenha se envolvido em atividades ilegais, o filme mostra que ter um controle claro sobre o fluxo de dinheiro pode ajudar a evitar problemas legais.

7. Planeje o presente e o futuro financeiro

Um bom planejamento financeiro pode ajudar a prever e preparar-se para futuros desafios financeiros. No filme, o personagem planejou o futuro financeiro de sua empresa, o que lhe permitiu tomar decisões informadas sobre o crescimento e a expansão de sua empresa.

Belfort tinha um controle claro sobre os recursos de sua empresa, a Stratton Oakmont. Ele sabia exatamente quanto dinheiro estava entrando e saindo, o que lhe permitia tomar decisões informadas.

O filme mostra que é preciso ler a realidade e suas tendências, antever movimentos internos e externos, pessoais e empresariais. Isso é importante para o cálculo de riscos de compra e venda, por exemplo, antevendo o futuro financeiro de uma empresa.

8. Entenda o mercado

Belfort adquiriu um entendimento profundo do mercado de ações, o que lhe permitiu manipular o sistema para seu benefício. O protagonista sabia como o mercado funcionava e usou esse conhecimento para manipular o sistema para seu próprio benefício.

Ele usou seu conhecimento do mercado para criar oportunidades de negócios e maximizar seus lucros. Além disso, desenvolveu estratégias de negócios e aprendeu quais ações vender e quando vender, o que lhe permitiu acumular uma grande fortuna.

9. Saiba quando arriscar

Belfort era conhecido por assumir grandes riscos, o que às vezes resultava em grandes recompensas. Começou a enriquecer vendendo ações de pequenas empresas fora do pregão, e logo acumulou um patrimônio gigantesco, devido às altas comissões, além de várias outras operações fraudulentas.

No entanto, os riscos que Belfort assumiu também tiveram consequências. Ele teve complicações com o governo, se envolveu com sexo, drogas e prostituição, enquanto alcançava o sucesso na década de 80. Apesar da imoralidade, o filme apresenta lições valiosas que podem ser aplicadas na sua vida profissional.

10. Aprenda com os erros

Belfort cometeu vários erros ao longo de sua carreira, incluindo fraudes financeiras e corrupção. Esses erros acabaram levando à sua prisão e à queda de sua empresa, a Stratton Oakmont. Apesar de ter cometido erros graves, aprendeu com eles. Reconheceu seus erros e usou essas experiências para mudar sua vida após sair da prisão.

Belfort teve a oportunidade de refletir sobre seus erros e crescer como pessoa. Ele usou essa experiência para se tornar um palestrante motivacional, compartilhando suas experiências e as lições que aprendeu com outros.

11. Saiba como é remunerado o profissional que lhe oferece um produto

Essa remuneração pode variar dependendo do setor e do papel específico que desempenham. O Product Manager, ou Gestor de Produto, é o profissional responsável pela entrega de um produto que gere boas experiências e seja rentável.

Com o crescimento exponencial da tecnologia e dos produtos digitais, essa se tornou uma função cada vez mais desejada e valorizada pelo mercado, com salários que podem se tornar bastante atrativos de acordo com o nível de experiência neste cargo.

12. Desconfie do “é bom demais para ser verdade”

A expressão “é bom demais para ser verdade” é um ditado popular que alerta para a possibilidade de que algo que parece perfeito ou muito vantajoso pode não ser real ou pode esconder algum tipo de engano ou fraude.

No filme, Jordan Belfort faz promessas milagrosas de riqueza rápida para seus clientes e funcionários. Essas promessas, que parecem boas demais para ser verdade, acabam sendo exatamente isso – não são verdadeiras e levam a consequências graves.

Belfort e sua empresa se envolvem em esquemas de fraude financeira que parecem oferecer grandes retornos com pouco risco. No entanto, esses esquemas são muito bons para serem verdade e acabam levando à queda de Belfort e à sua eventual prisão.

13. Cuidado com os gurus!

Jordan Belfort é retratado como um guru carismático que promete riqueza rápida e fácil para seus clientes e funcionários. No entanto, suas promessas acabam sendo vazias e levam a consequências graves.

Belfort e a Stratton Oakmont, sua empresa, fazem promessas que parecem muito boas. Essas promessas, que são feitas para atrair clientes e investidores, acabam se mostrando falsas e levam à queda de Belfort e à sua eventual prisão.

14. Tenha um mentor experiente

No início do filme, Belfort tem como chefe um experiente corretor da bolsa de valores, interpretado pelo ator Matthew McConaughey. Através dele, Belfort aprende como funciona o mercado financeiro: os vícios, os padrões, a rotina e o que é relevante e o que pode ser descartado.

O mentor de Belfort, além de mostrar caminhos, abre portas. Isso destaca a importância de ter um mentor experiente que possa orientar e abrir oportunidades.

O filme também mostra a importância para um líder de treinar alguém para ficar no seu lugar e de desenvolver pessoas para se tornarem líderes.

15. Antever mudanças

Belfort demonstra uma habilidade notável para antecipar e se adaptar às mudanças no mercado financeiro. Por exemplo, após passar anos trabalhando duro e finalmente ser contratado para trabalhar em uma corretora da bolsa de valores, ele vivencia a queda de diversas bolsas do mundo.

Com a recessão, no entanto, ele se vê sem emprego. Isso muda quando sua esposa encontra um anúncio de emprego em uma empresa pequena que lida com títulos de baixo valor.

O filme mostra que é preciso ler a realidade e suas tendências, antever movimentos internos e externos, pessoais e empresariais. Isso é importante para o cálculo de riscos de compra e venda, por exemplo.

Fontes: Melhores Resultados, eCommerce Brasil, Exame, Plus Din, Época Negócios, Ação Jovem FMC, Jornal Contábil, Você SA

10 livros essenciais para entender sobre economia comportamental

Propriedade privada: o que significa e quando surgiu o conceito?

Escola de Friburgo: escola que originou o ordoliberalismo

Microeconomia: o que é, como funciona e quais são os elementos?