10 passos para sair das dívidas rápido

Sair das dívidas exige foco e estratégia para conseguir organizar a vida financeira e quitar todas as pendências.

8 de abril de 2022 - por Jaíne Jehniffer


Se você está endividado, algumas dicas para sair das dívidas rápido são:

1- Levantamento das dívidas

O 1º passo para sair das dívidas é entender como está a sua vida financeira no momento. Para isso, você precisa anotar os seus gastos.

Portanto, separe os seus boletos, carnês e demais contas que tiver. Além disso, faça um levantamento das suas despesas fixas, das dívidas e se existe uma previsão futura para novos gastos.

2- Organize suas dívidas no papel

Depois de fazer o levantamento das dívidas, você precisa organizá-las para que consiga visualizar todas elas.

Uma boa forma de fazer isso é anotando em um papel qual é o nome da dívida e o valor na frente. Ou seja, você deve fazer uma espécie de lista com nomes e valores de todas as dívidas.

Essa é uma opção bem fácil e prática. Se você preferir, pode recorrer à uma planilha no Excel ou aplicativos de organização financeira.

Depois de fazer essa lista, você deve verificar o quanto tem para receber no mês e o total de gastos do mês. Com isso, você poderá conferir o quanto sobra ou falta no seu orçamento mensal.

3- Faça uma reunião em família para sair das dívidas

Para acabar com as dívidas, é essencial contar com o apoio da família. Se vocês têm gastos divididos, uma reunião familiar para combinar os cortes de gastos é indispensável.

Por outro lado, se os gastos não são divididos, os seus familiares podem te ajudar a pensar em soluções e dar apoio para que você consiga sair das dívidas.

4- Corte gastos sem necessidade

Se a sua prioridade é sair do vermelho, você precisa cortar os gastos desnecessários.

Essa é uma etapa muito importante pois o dinheiro que seria destinado aos gastos desnecessários pode ser destinado ao pagamento das dívidas. Portanto, verifique quais são os seus gastos desnecessários e faça cortes.

Você ainda pode buscar formas de economizar no dia a dia em casa como, por exemplo, tomar banhos menos demorados e não deixar todas as luzes de casa acesas.

Uma dica extra é buscar opções de renda extra. Ao cortar gastos, você consegue economizar um pouco de dinheiro para pagar as dívidas.

Já com renda extra, você consegue aumentar a sua renda mensal e, assim, pagar ainda mais rápido as suas dívidas. Desse modo, pense em coisas que você sabe fazer e que podem ser uma forma de ganhar um dinheiro extra.

5- Acabe com as dívidas com juros altos

Ao se planejar para pagar suas dívidas, confira quais possuem juros mais altos. Quanto mais alto for o juros, mais dinheiro você terá que gastar com eles.

Dessa maneira, é essencial acabar com as dívidas com juros altos primeiro. Uma boa opção é negociar essas dívidas antes que elas virem uma verdadeira bola de neve.

6- Negocie suas dívidas

O 6º passo para sair das dívidas é negociar. Como as dívidas costumam ter juros altos, elas tendem a crescer muito rápido.

Com o crescimento da dívida por causa dos juros, vai ficando cada vez mais difícil pagar as contas e sair do vermelho.

Por isso, a negociação das dívidas é uma boa opção. Com ela, você pode reduzir o valor da conta e combinar uma forma de pagamento que fique bom para você e para a empresa.

7- Tenha metas para sair do vermelho

O seu objetivo é sair das dívidas, certo? Então você precisa criar metas.

Em síntese, as metas são passos que, ao serem cumpridos, te colocam mais próximo da realização do seu objetivo. Sendo assim, ao cumprir todas as metas, você alcança o seu objetivo.

É muito importante que as suas metas sejam claras. Além disso, é preciso que as suas metas sejam mensuráveis e alcançáveis.

Nada de colocar metas exageradas. Isso porque, se você não conseguir cumprir suas metas, você vai ficar frustrado e pode acabar ficando desmotivado a continuar.

8- Tire seu nome da lista dos devedores

Quando você fizer a negociação das dívidas, procure o seu nome nos serviços de proteção ao crédito e verifique se ele está fora da lista de negativados.

Com isso, o seu nome volta a poder ser usado e aumenta o seu score nos serviços de consulta de nome. Mas cuidado: nada de se endividar de novo!

9- Reorganize seu orçamento para sair do vermelho

Periodicamente, você deve analisar como estão as suas finanças. Caso algo não esteja dando certo, reorganize o orçamento e pense em novas soluções.

Uma dica extra é buscar educação financeira. Isso porque, com educação financeira, você aprende como lidar com dinheiro.

Além disso, você pode aprender como investir. Assim, depois que você sair do vermelho, você pode focar na construção do seu patrimônio ao investir um pouco todos os meses.

10- Tenha hábitos saudáveis

Por fim, a última dica para sair das dívidas é criar o hábito de sempre controlar os seus gastos. Isso é essencial para que você não fique endividado novamente.

Em outras palavras, não basta apenas sair do vermelho, é preciso tomar cuidado para não ficar endividado de novo.

Um exemplo de hábito saudável é pesquisar antes de comprar. Outro exemplo é planejar os seus gastos e comprar apenas o que você tiver planejado.

Uma dica extra é: crie uma reserva de emergência. Em resumo, a reserva de emergência é uma quantia em dinheiro que deve ser usada apenas quando surgem imprevistos. Ou seja, ela serve para te socorrer em situações específicas.

Em relação ao valor da reserva, isso vai variar bastante. No entanto, de maneira geral, o recomendado é que o valor seja correspondente a 6 meses dos seus gastos mensais.

Contudo, se você é autônomo ou algo do gênero, o ideal é que a sua reserva seja maior, já que a sua renda pode variar.

Enfim, no texto acima você conferiu alguns passos para sair das dívidas (via Santander e Serasa) e dicas extras que podem te ajudar a manter a sua saúde financeira depois de sair do vermelho.

Aproveite para conferir também algumas dicas e hábitos para ficar milionário.

Microeconomia: o que é, como funciona e quais são os elementos?

George Stigler: vida e carreira do Nobel de economia

Margaret Thatcher: quem foi e quais foram as contribuições dela?

Economia comportamental: o que é e como funciona?