Holding: o que é, tipos, vantagens e desvantagens

29 de outubro de 2020, por Jaíne Jehniffer

Tempo de leitura médio: 8 min, 39 seg


Holding é uma sociedade que possui a maior parte das ações ordinárias de outras empresas. Isto é, uma holding é uma empresa, a matriz, que controla outras companhias.

As holdings são facilmente criadas por quem possui capital, já que as ações estão disponíveis em mercado aberto. Isso significa que o investidor não precisa da autorização da empresa para assumir o seu controle, basta comprar ações ordinárias o suficiente.

Neste texto, vamos te explicar detalhadamente como uma holding funciona, suas funções, os tipos e as vantagens e desvantagens. Vamos lá?!

O que é uma holding?

A palavra holding vem do verbo em inglês “to hold” e significa “segurar”. Sendo assim, uma holding é uma empresa que segura, ou seja, que controla outras empresas. Portanto, o que ela faz é comprar a maior parte das ações ordinárias de uma companhia e assumir o seu controle.

As ações ordinárias dão poder de voto aos acionistas. Assim, nas assembleias de acionistas, os investidores em ações ordinárias possuem poder de voto. Como a holding detém maior participação, o seu voto vale mais.

O objetivo das holdings em controlar outras empresas é o poder de tomada de decisão na gestão das empresas. Para isso, ela atua na administração gerencial e política e busca organizar essas companhias, que passam a ser chamadas de subsidiárias.

Como uma holding funciona?

Uma holding atua ao controlar suas subsidiárias por meio da detenção majoritária de participações acionárias nessas empresas. Dessa forma, a classificação legal da holding pode variar entre os regimes de Sociedade Anônima(S/A) ou Sociedade Limitada (LTDA), dependendo das características das empresas sob sua administração.

Além do mais, as operações dessas empresas são supervisionadas pelo CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), independentemente do tipo de estrutura legal escolhida.

Embora possam ter várias subsidiárias, é comum que a administração das operações ocorra de maneira separada e independente. A holding assume responsabilidade principalmente como acionista majoritária e detentora de influência sobre certas decisões no conselho de administração.

Assim, as subsidiárias podem operar de maneira autônoma, supervisionando suas atividades administrativas do dia a dia. No entanto, saiba que essa dinâmica varia de acordo com a gestão e o tamanho tanto da empresa quanto da holding, resultando em uma série de possibilidades.

Apesar de o controle acionário de outras empresas ser a função central de uma holding, ela tem a capacidade de explorar outras atividades para aumentar suas receitas. Contudo, essas atividades secundárias devem ser realizadas de forma secundária e, por essa razão, são consideradas raras.

Quais são suas funções?

A função primordial de uma holding é investir em empresas, adquirindo ações para alcançar uma participação acionária majoritária. Isto é, uma holding tem como função possibilitar que uma empresa e seus diretores possam exercer influência ou mesmo exercer controle sobre outras empresas, que são conhecidas como subsidiárias.

A holding tem participação nas ações de uma ou mais companhias, podendo atuar direta ou indiretamente em suas atividades, mas isso varia de caso para caso. Por exemplo, caso a participação seja majoritária, é possível exercer mais influência. Já em caso de minoritária (como é comum em holdings de participação), não há influência direta.

Entre as principais funções de uma holding, podemos citar as seguintes:

  • favorecer o operacional dos negócios;
  • monitorar as ações de outras companhias em que há participação acionária;
  • manter o controle das operações de uma empresa;
  • facilitar o processo de herança.

Quais são os tipos de holding?

Abaixo, listamos os principais tipos de holdings possíveis atualmente. Confira:

Holding Pura

É aquela que possui por objetivo somente a participação no capital social de outras empresas, ou seja, ela quer apenas controlar outras empresas. As grandes holdings no mercado brasileiro costumam ser desse tipo, visto que elas têm a sua formação com o único objetivo de controlar outras empresas.

A receita da holding pura vem dos lucros e dividendos provenientes de suas participações em empresas.

Holding Mista

A holding mista objetiva não somente a participação, mas também a execução de alguma atividade empresarial. Essas atividades são serviços civis e comerciais, não industriais. No Brasil, a holding mista é a mais comum.

Portanto, as holdings mistas são empresas que desempenham atividades para além do controle das subsidiárias. São empreendimentos que operam em duas frentes e podem apresentar um potencial aprimorado de rentabilidade e lucratividade.

Holding administrativa

A holding administrativa tem por objetivo contribuir com o melhoramento e otimização do controle da empresa. Esse tipo atua diretamente na gestão das subsidiárias, para torná-las mais eficazes, dinâmicas e promissoras. Desse modo, ela passa a administrar a empresa, substituindo os sócios por pessoas físicas.

Logo, as holdings administrativas são empresas que se associam e aperfeiçoam a administração das suas subsidiárias, desempenhando um papel crucial nas tomadas de decisão.

Holding de controle

Como o próprio nome sugere, a holding de controle detém o controle da empresa. Essa categoria é usada para garantir a administração do negócio pelo dono, mesmo que outras pessoas participem da companhia.

Dentre as principais holdings de grande porte no Brasil, especialmente aquelas listadas na bolsa de valores, esse é o tipo mais comum. Nesse caso, existem holdings que têm apenas uma subsidiária e outras que detêm controle sobre uma variedade de empresas.

Holding patrimonial

A holding patrimonial pode ser definida como uma empresa que administra bens próprios. Isso significa, que ela foi criada para administrar os bens, como os imóveis, para que eles passem a ser integralizados no capital social da empresa.

Em síntese, a holding patrimonial faz com que haja um melhor gerenciamento do patrimônio de famílias com muitos bens.

Holding familiar

A holding familiar tem como intuito exercer o controle do patrimônio de pessoas físicas que sejam de uma mesma família e que tenham bens e participações societárias em seu nome.

Uma holding familiar é uma espécie de empresa familiar, na qual as decisões são tomadas com base em deliberações sociais em que ocorre a participação dos sócios.

Holding de participação

Uma holding de participação é uma empresa que visa adquirir participações societárias em proporções minoritárias. Elas investem em ações de empresas de capital aberto e não se envolvem diretamente na gestão dessas organizações.

Sendo assim, essas holdings não exigem uma estrutura significativa e suas receitas derivam das ações adquiridas e dos dividendos recebidos.

Como criar uma holding?

Criar uma holding envolve várias etapas que podem variar de acordo com as leis e regulamentos do país em que você está operando.

O ponto de partida na formação de uma holding envolve estabelecer um plano de negócios completo e uma análise patrimonial bem sólida. É nessa etapa que as principais diretrizes da empresa são elaboradas, juntamente com a coleta inicial de informações.

Abaixo estão as próximas etapas necessárias para que uma holding possa ser criada:

  1. Alinhamento com os sócios: esse passo é importantepara identificar a expectativa de cada um e traçar as intenções da empresa;
  2. Planejamento tributário: aqui, é definido o regime jurídico que a empresa seguirá (Sociedade Anônima ou Limitada) e os seus objetivos sociais;
  3. Documentação: essa etapa é para preparar toda a documentação exigida, assim como a transferência dos bens da Pessoa Física para Pessoa Jurídica;
  4. Implementação de Acordo de Acionistas, Fideicomisso ou Usufruto: Na sequência, implementa-se o acordo de acionistas ou outras medidas legais, como fideicomisso ou usufruto, de acordo com as estratégias da holding.

Por fim, vale sempre lembrar que as etapas específicas e os requisitos legais podem variar de acordo com o país e a jurisdição. Portanto, é importante consultar profissionais legais, financeiros e empresariais experientes para orientação personalizada ao criar uma holding.

Quais são as principais vantagens de criar uma holding?

Uma grande vantagem em relação às holdings é a facilidade em que se pode montar uma, já que as ações estão disponíveis no mercado aberto. Isso significa que não é preciso o aceite dos acionistas de determinada empresa para que uma holding seja criada.

Outra vantagem se refere ao agrupamento de capital entre as subsidiárias, o que possibilita o aumento de rentabilidade. Dessa forma, uma holding pode agrupar os recursos financeiros dela com os das subsidiárias e concretizar grandes projetos que aumentem a rentabilidade.

Por fim, uma grande vantagem das holdings é que elas e as subsidiárias são empresas legalmente separadas. Portanto, caso a subsidiária não se saia bem, a controladora não é afetada.

E as desvantagens?

Uma desvantagem das holdings é que seus membros possuem grande poder financeiro, que não é acompanhado de grande responsabilidade financeira. Consequentemente, pode haver mau uso do poder e irresponsabilidade por parte dos membros.

Outra desvantagem se refere à exploração. Isso porque, uma holding pode fazer com que as subsidiárias comprem bens com preços elevados. Por outro lado, pode forçá-las ainda a vender produtos para a controladora com preços baixos.

Outras desvantagens que podem acontecer com as holdings são fraude na manipulação de contas e o uso de informações sobre o desempenho financeiro das empresas como um meio de especular.

Por fim, as holdings podem ainda possuir pouco conhecimento do setor de atuação de uma empresa que ela exerce controle. Desse modo, alguns decisões tomadas pela holding podem ser ruins.

E aí, gostou de aprender o que é uma holding? Então, aproveite também para aprender sobre a importância de se ter um planejamento patrimonial. Boa leitura!

Fontes: Suno, Eu quero investir, Inepad consulting,Contas Online, Remessa Online e Treasy