O que é Paridade do Poder de Compra (PPC) e como é calculada?

4 de fevereiro de 2022 - por Jaíne Jehniffer


Paridade do Poder de Compra (PPC) é um indicador usado para comparar as diferentes moedas ao redor do mundo. Com a ajuda desse indicador, você pode comparar o poder de compra da moeda brasileira com a moeda dos Estados Unidos ou com o Euro, por exemplo.

Comparar o poder de compra das moedas de diferentes países é possível quando se leva em conta a compra de determinado produto nos dois países. Assim, é viável verificar se o que se compra com certa quantia em um país, compra o mesmo produto em outro.

Achou confuso? Não se desespero! Neste texto, vamos te explicar claramente como isso é feito.

O que é Paridade do Poder de Compra?

A Paridade do Poder de Compra (PPC) é uma métrica que serve para comparar as moedas de vários países por meio de um índice para o poder de compra.

A PPC leva em conta a quantidade de moeda para comprar algo em um país, que pode ser comparada com a medida de outros países. Ou seja, ela usa o preço de bens e serviços. Além disso, esse indicador pode usar também o Produto Interno Bruto (PIB), a renda per capita ou índices de preços que medem a inflação.

Algumas instituições como, por exemplo, o Banco Mundial, usam a PPC como um índice de comparação da produtividade e crescimento das economiasVale destacar, ainda, que o uso da PPC não é consenso entre os economistas, visto que há quem discorde do seu uso.

Para eles, a disparidade na flutuação dos preços em cada setor, nos padrões de compra e no modelo de produção são suficientes para que essa uniformidade do método seja ineficaz.

É interessante você saber também que, nos anos de 2019 e 2020, o Brasil ficou em 8º lugar no ranking do Banco Mundial em Paridade de Poder de Compra, ficando na frente de países europeus como a França e o Reino Unido.

Como a PPC funciona?

A discrepância no poder de compra das moedas varia de acordo com a região, ou seja, essa mudança não ocorre apenas entre países, mas também entre cidades e estados.

Imagine que você está em uma padaria no estado de Goiás com R$ 5,00 no bolso. Você vai conseguir comprar uma quantidade diferente de pães do que você compraria com os mesmos R$ 5,00 em uma padaria no estado de São Paulo.

Isso acontece por vários fatores, como os custos de produção e a famosa lei da oferta e demanda. E essa diferença entre o poder de compra é ainda maior, obviamente, se compararmos entre países.

Portanto, a PPC funciona como uma forma de comparar as moedas tendo como base o que é possível comprar com ela

Teoria

A teoria da paridade dos poderes de compra considera que existe uma taxa de câmbio de equilíbrio para a economia de cada nação. Dessa maneira, seria possível analisar as tendências das economias no longo prazo.

Segundo essa teoria, um conjunto de bens e serviços possui o mesmo valor em dois países quando suas moedas estão em equilíbrio.

O princípio que envolve essa paridade é chamado de Lei do Preço Único. Essa lei defende que mercadorias idênticas devem ter o mesmo preço, levando em conta um comércio livre entre os países.

Se houver diferença de preços, sem considerar os custos associados, estes se convergiriam através da arbitragem. Logo, caso o preço de um produto em dólar ser maior do que em outro país, a procura irá se deslocar para o país com preço menor. Esse movimento faria, então, com que os preços voltassem a ser iguais.

Cálculos

Vamos falar agora de cálculo, que é bem tranquilo. Primeiramente, entenda que o cálculo da paridade entre países leva em conta a taxa de câmbio real, em que é possível comprar os mesmos produtos e serviços.

Segundo a Lei do Preço Único, a paridade vai existir se os preços entre dois países forem iguais, considerando a taxa de câmbio nominal para que haja a troca de moedas. Sendo assim, a fórmula da PPC é a seguinte:

  • E = e x (P¹ ÷ P²)

Sendo que o e é a taxa de câmbio nominal. Os preços de um país é , geralmente tendo como base o dólar norte-americano, sobre os preços de outro país .

O resultado do cálculo é conhecido como taxa de câmbio real, no qual o valor igual a 1 resultaria no preço único para as duas nações. Para que você possa entender melhor, vamos usar um exemplo. Olha só:

Vamos supor que certo produto custa US$ 5,00 nos EUA e R$ 20,00 no Brasil. Neste caso, a taxa de câmbio que indica o equilíbrio entre os dois países seria de 4 reais para cada 1 dólar.

Nesse exemplo, a taxa de câmbio do dia no mercado por R$ 4,90 temos que a taxa de câmbio real é:

  • E = 4,90 x (5 / 20) = 1,225

Portanto, isso significa que o poder de compra das pessoas nos EUA, ao comprar este produto, é maior em comparação com a economia brasileira. Logo, seria preciso de menos de 5 dólares para comprar o mesmo produto no Brasil. 

Fontes: Dicionário Financeiro e Mais Retorno.

10 livros essenciais para entender sobre economia comportamental

10 dicas de como melhorar a sua relação com o dinheiro

Mitos e verdades sobre empreendedorismo que devemos conhecer

8 dicas do que fazer com a restituição do IR