Investimentos tradicionais: quais são as opções mais populares


Os investimentos tradicionais são as aplicações disponíveis no mercado financeiro e que podem se encaixar na categoria de renda fixa ou renda variável.

Cada um dos ativos disponíveis na renda fixa e variável se diferenciam em relação ao risco, prazo de vencimento e retorno pretendido com a aplicação.

Como existem muitas opções de ativos, é importante que, antes de investir, o investidor analise as características do ativo para saber se ele se encaixa no seu perfil de investidor.

O que são investimentos tradicionais?

Os investimentos tradicionais são as opções de aplicações disponíveis no mercado financeiro. Eles são os tipos de investimentos mais comuns e são bem conhecidos pelos investidores mais experientes. Além dos investimentos tradicionais, existem também os investimentos alternativos e os investimentos na economia real.

Dentro do mercado financeiro, nós temos a renda fixa e variável. Dentro dessas duas categorias se encontram diversos tipos de aplicações, que se diferenciam em relação às suas características, riscos, prazos e retornos. O investidor é livre para escolher entre os vários tipos de ativos disponíveis.

Contudo, o mais recomendado é considerar o perfil de investidor e objetivos com a aplicação. O perfil é especialmente importante, pois ele determina o nível de risco que você suporta correr. Enfim, as duas categorias funcionam da seguinte maneira:

1- Investimentos tradicionais em renda fixa

Investimentos tradicionais: quais são as opções mais populares

Onze

Nas aplicações de renda fixa, os investidores sabem, desde o momento da aplicação, quais são as regras de rendimento. De maneira geral, os títulos possuem três tipos de rentabilidade: 

  • Prefixada: A taxa de juros permanece a mesma desde a aplicação e o investidor consegue calcular qual será o retorno com a aplicação.
  • Pós-fixada: A rentabilidade varia de acordo com o indexador usado no título como, por exemplo, a taxa Selic ou o CDI
  • Híbrida: O retorno depende de uma parte prefixada e outra que varia de acordo com um indexador como, o IPCA, por exemplo.

De maneira geral as aplicações de renda fixa são considerados investimentos menos arriscados, já que a maioria dos títulos conta com algum tipo de garantia. Dentre os investimentos mais comuns de renda fixa, temos:

2- Investimentos tradicionais em renda variável

Diferente da renda fixa, na renda variável não existe nenhum tipo de garantia e o investidor não sabe como será o retorno. Dessa maneira, ao investir em renda variável, o investidor não sabe se terá lucros ou prejuízos. Por isso, é essencial analisar detidamente o ativo antes de investir nele.

Investimentos tradicionais: quais são as opções mais populares

Jornal ibia

Como os ativos de renda variável são mais arriscados do que os de renda fixa, as chances de altos retornos também são maiores. Ou seja, a lógica é que quanto mais arriscado, maiores são os rendimentos esperados com a aplicação. Alguns exemplos de ativos de renda variável são:

Investimentos populares

Dentre os investimentos tradicionais existem alguns investimentos que são populares entre os brasileiros. Essas aplicações são escolhidas, por exemplo, quando a pessoa começa a pensar em fazer uma reserva e não pretende deixar o dinheiro em casa.

Inclusive, deixar o dinheiro debaixo do colchão é uma péssima ideia, pois com o poder corrosivo da inflação, você vai perdendo poder de compra sem perceber. Por isso, o ideal é escolher uma aplicação financeira que faça o seu dinheiro render.

Ao escolher entre as opções disponíveis, não deixe de considerar fatores como: rentabilidade, taxas e impostos. Enfim, existem três aplicações que são bem populares entre os brasileiros: poupança, previdência e imóveis. Vamos falar um pouco sobre cada uma delas.

Investimentos tradicionais: quais são as opções mais populares

Entre euros e reais

Mas fica o alerta: apesar dessas aplicações serem bem populares entre os brasileiros, elas podem não ser a melhor alternativa. Por isso, não deixe de pesquisar sobre as outras opções de investimento e escolha o que melhor se encaixa no seu perfil e objetivos.

1- Poupança

A poupança é sem dúvidas a aplicação mais conhecida entre os brasileiros. O que muitas pessoas não sabem é que ela rende tão pouco que não supera nem a inflação. Em outras palavras, ao investir na poupança, você continua perdendo parte do seu poder de compra, já que a rentabilidade fica abaixo da inflação.

A vantagem da poupança é a facilidade de abrir uma conta e movimentar o dinheiro. Outra vantagem é que ela conta com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que devolve até R$ 250 mil por CPF e instituição, em caso de calote.

Apesar dessa proteção ser vantajosa, repare que ela tem um limite. Isso significa que se o banco quebrar e você tiver mais de R$ 250 mil, você vai ficar no prejuízo. Além disso, existem aplicações que rendem muito mais do que a poupança como, por exemplo, o CDB, que também tem a proteção do FGC.

The cap

2- Previdência privada

Os planos de previdência privada são divididos em dois tipos: Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). Geralmente o PGBL é mais vantajoso para as pessoas que fazem a declaração de Imposto de Renda (IR) pelo formulário e é tributado direto na fonte.

Isso porque, esse tipo de plano permite que seja feita a dedução do valor das contribuições na base de cálculo do IR. Por outro lado, o VGBL costuma ser mais interessante para quem faz a declaração simplificada ou não é tributado na fonte, já que neste plano a tributação ocorre somente em cima dos ganhos de capital.

A vantagem desses planos é que eles podem proporcionar retornos mais elevados do que a poupança. A desvantagem é que eles podem ser mais arriscados e possuem alguns custos, tais como: taxa de administração, Imposto de Renda e taxa de carregamento.

3- Investimentos em imóveis

Este sem dúvida é um dos investimentos mais populares entre os brasileiros. No entanto, existem diversos riscos atrelados ao investimento em imóveis. Os imóveis podem se valorizar e proporcionar um bom retorno, contudo, existe o risco deles perderem valor.

Trisul

Além disso, tanto no aluguel quanto na venda de imóveis, existe uma taxa de imposto que deve ser paga. Uma alternativa para quem deseja investir no setor imobiliário, é aplicar em fundos imobiliários.

Em síntese, os fundos imobiliários funcionam como uma reunião de investidores focados em aplicar em imóveis ou títulos relacionados ao setor imobiliário. Os fundos imobiliários são mais vantajosos do que investir em imóveis em vários aspectos, confira: Por que não investir em imóveis? Motivos pelos quais não compensa

Imagens: Onze, Entre euros e reais, Jornal ibia, The cap, Trisul e Investnews

Conte-nos a sua opinião...